Universidade Tuiuti do Paraná Relações Internacionais Disciplina: História das Relações Internacionais Professor: Demétrius



Baixar 25.89 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho25.89 Kb.
Universidade Tuiuti do Paraná

Relações Internacionais

Disciplina: História das Relações Internacionais

Professor: Demétrius

Alunas: Adriana Brodbeck Cardoso / Juliana dos Santos Abrahão / Gabriely Jane da Silva / Márcia Karina


“Relações Internacionais; entre a preponderância européia e a emergência americano-soviética (1815-1947) – Pág. 149 a 169.
O Surgimento da Bipolaridade a Europa e a Primeira Guerra Mundial (1890-1914)

A constituição de dois blocos de poderes antagônicos separou as grandes potências após 1890, e foi a característica principal das relações internacionais naquela fase. De um lado, a Tríplice Aliança, formada por Alemanha, Áustria-Hungria e a Itália, e de outro a Tríplice Entente, formada por França, Rússia e Inglaterra. Outro fator importante durante esse período, pe a política externa alemã, que aos olhos das outras potências, era ameaçadora. O período, na verdade, caracterizou-se por diversas alianças político-militares. Mas as alianças nem sempre eram sustentáveis. Enquanto isso, a Alemanha reinvindicava sua igualdade de direitos em relação às posses coloniais e usava um grande programa de construção naval para alicerçá-la.


A aliança franco-russa, o fim do distanciamento britânico da política continental e a superação dos antigos antagonismos entre a Grã-Bretanha de um lado, e a Franca e a Rússia, de outro, tinham em comum uma causa: o temor da política externa alemã, considerada com imprevisível, agressiva e ameaçadora.
Os tratados entre os parceiros da tríplice Entente eram de natureza defensiva. A Alemanha e seus dirigentes eram entendidos como um inimigo, e as demais potências se aliavam cada vez mais apertado um grande cerco em torno dela. A elite dominante deste país sentia-se empurrada para a defensiva.
Em julho de 1914, a tentativa de superar essa defensiva com uma dramática “fuga para frente”, ou seja, com um sucesso diplomático, ou militar, que humilharia os rivais, levou a Europa, a 1 Guerra Mundial.
Após 1898, iniciou-se a política mundial, chamada de welpolitik, que seria a “mundialização” da política exterior de todas as potencias, não só da Alemanha.
Porém, os traços específicos da política mundial alemã fizeram-na parecer ameaçadora. A welpolitik alemã reivindicou a igualdade de direitos com as outras potências em relação a posses coloniais, porém o mundo já se encontrava dividido. As reivindicações alemãs eram estruturadas em um gigantesco programa de construção naval, que foi designado como um instrumento para extrair concessões políticas à Grã-Bretanha.
Entre os anos de 1890 e 1905, a diplomacia tratava dos problemas fora da Europa. Após 1905 tensões e conflitos dentro do continente europeu se tornaram o centro das relações européias. Assim, as tensões entre os Estados culminaram em duas crises ocidentais (as duas crises marroquinas) e em três crises no leste da Europa. Os antagonismos nos Bálcãs propiciaram as causas imediatas da deflagração da 1 Guerra Mundial.
Outro ponto importante foi a saída de Bismarck do poder. Este evento foi interpretado como o “turning point” da política externa alemã e das relações internacionais dos Estados Europeus.
Porém, apesar das diferenças fundamentais entre a política continental conservadora de Bismark e a agressiva Weltpolitik de fase guilhermina, (nova fase), identificam-se elementos marcantes de continuidade entre os dois períodos.
A deteriorização das relações entre a Alemanha e a Rússia, e em conseqüência, a superação do isolamento da Franca tiveram inicio ainda na época de Bismark. Por outro lado, o novo chanceler alemão von Caprivi, preservou a vertente principal da política externa de Bismak. O novo rumo da política alemã, depois de 1890, permaneceu sob a primazia da política européia, representando a continuação da política continental de segurança de Bismark, porém, com a tentativa de ganhar a Grã-Bretanha como novo parceiro. Ao mesmo tempo, Caprivi seguiu a idéia de uma união aduaneira da Europa central e fechou tratado comercial com diversos Estados.
Os dirigentes da política externa alemã nunca consideraram possível um pacto entre a Rússia e a França, principalmente por causa da adversidade de seus sistemas de política interna. A declaração de guerra econômica com o interdito de Lombart, em 1887, o não prolongamento do tratado de resseguro e as tentativas paralelas da Alemanha de aproximar-se da Grã-Bretanha levaram a Rússia para o lado da França.
A aliança franco-russa, cuja duração estendeu-se ao período da 1 Guerra, dando um fim ao isolamento diplomático francês de mais de 20 anos. A aliança era um pacto militar defensivo que previa a ajuda militar mútua no caso de um dos parceiros ser atacado pela Alemanha. No caso de uma mobilização militar de um dos estados da Tríplice Aliança, a França e a Rússia responderiam em conjunto. Pela perspectiva da Alemanha, a conclusão da aliança franco-russa criou a possibilidade, sempre muito temida na política alemã, de uma guerra em duas frentes. Para lidar com essa possibilidade os militares alemães desenvolveram o Plano Schieffen, que era encarado como uma receita sacrossanta de vitória e que desde então pregava não só o pensamento militar, como também decisões políticas. O plano supunha a incapacidade de uma rápida mobilização das forcas armadas russas e previa, no caso de um conflito com a França e a Rússia, conduzir o conjunto das forcas armadas alemãs, desprezando a neutralidade da Bélgica, a uma batalha violenta e decisiva contra a Franca e, após uma rápida vitória, construir a frente do leste contra a Rússia.
A política externa do chanceler Caprivi subestimava a possibilidade de uma aliança entre a Rússia e a França e, ao mesmo tempo, superestimava o potencial de uma aproximação entre a Alemanha e a Grã-bretanha. Ele procurava obter apoio britânico no continente em troca de concessões coloniais.
No inicio de 1897, a política externa alemã entrou numa nova fase, a da mão livre e da Weltpolitik, o que fez surgir definitivamente o antagonismo teuto-britânico. Tal política definiu como meta não assumir compromissos ou formar alianças nem com a Rússia e nem com a Grã-Bretanha, até que a Alemanha possuísse uma armada suficientemente grande para formar com a Rússia um pacto contra a Grã-Bretanha.
A Alemanha Guilhermina não queria a dominação do mundo, como iria quere-la mais tarde o 3 Reich, mas reivindicou uma posição como grande potência mundial, que corresponde ao seu poderio econômico. Segundo Brigde e Bullen, o tão aspirado status de potência mundial, significaria, na prática, que nenhuma outra potência teria o direito de decidir qualquer assunto, dentro da política internacional, sem a autorização da Alemanha. Mas, além das proclamações de que o futuro da Alemanha se encontrava no mundo todo, a política alemã não transmitia uma definição precisa dos objetivos concretos de sua política mundial. Na prática, a política mundial alemã era um movimento sem rumo e sem metas.
Na verdade, a Weltpolitik alemã era inexplicável, mas possuía um grande vínculo com a política interna. A política externa da Alemanha tinha como base a “instrumentalização da expansão”, de uma maneira fria e calculista. A Weltpolitik representaria a tentativa de corroborar a legitimidade do Estado autoritário e desviar a necessidade de reformas sociais e políticas. A intervenção da Alemanha, em 1909, na chamada crise da anexação da Bósnia, transformou conflitos regionais em um plano de confronto entre grandes potências e marcou uma etapa importante no desdobramento da “Primeira Guerra Mundial”.
Na segunda crise Marroquina, assim que a França tomou a capital do Marrocos, para dominar uma revolta contra o sultão, a Alemanha contrariada, enviou uma canhoneira para a região. Mas a Inglaterra se mostrou a favor da França fazendo com que a Alemanha recuasse, pois seus aliados não estavam prontos para um confronto.
Depois da segunda crise marroquina, a Tríplice Entente se fortaleceu e acabou causando uma corrida armamentista entre os países europeus. Os dois blocos perceberam que um confronto seria inevitável.
A Itália, contra a vontade de seus aliados da Tríplice Aliança, invade a Trípoli e a Líbia. Com a Turquia enfraquecida a Sérvia, Bulgária, Grécia e Montenegro atacam-na para dividir a Macedônia entre si, esse conflito ficou conhecido como a primeira guerra dos Bálcãs. A segunda guerra balcânica foi a disputa entre os países da Liga Balcânica para dividir as conquistas da primeira guerra.
A Áustria-Hungria, não estava gostando do crescimento do território da sérvia e ficou aguardando uma oportunidade para aplicar um golpe militar decisivo contra a Sérvia. A oportunidade surgiu com o assassinato do herdeiro do trono austríaco por um grupo terrorista sérvio. Mas para a Áustria-Hungria atacar a Sérvia precisava do apoio da Alemanha, pois era dependia dela e sabia que esse ataque poderia provocar uma intervenção da Rússia, que era aliada a Sérvia. O imperador Guilherme II esperava que o Czar aceitasse uma punição a Sérvia, mas não foi o que aconteceu. Entretanto a Rússia estava disposta a defender militarmente a Sérvia caso a Alemanha ou a Áustria-Hungria decidissem atacá-la. A Alemanha não conseguindo acordo com a Rússia e deu “carta branca” à Áustria-Hungria para atacar a Sérvia. Porém ela não estava preparada essa reação rápida que a Alemanha estava exigindo. Então a Áustria–Hungria deu um ultimato à Sérvia, e para surpresa de todos a Sérvia aceitou todas as condições, recusando somente as prerrogativas à Áustria e a participação direta desta a investigação ao atentado. O imperador alemão estava desistindo da guerra, mas foi manipulado pelo seu governo e sobretudo pelo seu chanceler Bethmann-Hollweg, que acaba fazendo uma rápida declaração de guerra. O início da Guerra identifica-se por:


  • 28 de julho Áustria-Hungria declara guerra a Sérvia;

  • 1º de agosto Alemanha declara guerra à Rússia;

  • 3 de agosto Alemanha declara guerra a França;

  • 4 de agosto a Inglaterra entra na guerra;

Em 1917 os Estados Unidos e outros países entram na guerra. Com a entrada desses países a guerra que era continental se tornou mundial.


As esperanças Alemãs de conquistas rápidas são frustradas e por anos, a Alemanha quase não consegue se mover. Ao leste, a Alemanha já enfraquecida, em 1917 tenta um acordo de paz e cessar-fogo. Mas a entrada dos Estados Unidos na Guerra, no mesmo ano, impossibilita esse acordo, e os aliados alemães desmoronam. Em 1918, com a deflagração da revolução de Berlim e da abdicação do imperador, a Alemanha aceita as condições de cessar-fogo. Em 1919 é assinado o Tratado de Versalhes, que, em seu artigo 231, responsabiliza a Alemanha e seus aliados pela Primeira Guerra Mundia.
Após esse acontecimento, instaurou-se o que historiadores chamam de “revisionismo” alemão. Várias obras são publicadas por várias vertentes e na Alemanha, a direita nacionalista busca na ciência histórica a verdade para a culpa da guerra. Segundo os alemães, a Alemanha teria reagido em “legítima defesa” contra a Rússia, que seria a grande responsável pela Guerra. A política alemã, segundo os revisionistas, teria sido orientada pela paz e a intervenção das potências da “entente” no conflito Áustria e Sérvia, teria provocado a Primeira Guerra Mundial.
Após esta visão, historiadores franceses, e ingleses também publicaram suas visões. Mas foi no período “entre guerras”, que surgiu uma visão muito importante para a história das relações internacionais. Esta visão responsabiliza o sistema internacional e o caráter das relações internacionais pela deflagração da Guerra. Segundo os estudiosos, a divisão bipolar da Europa, a diplomacia secreta, o automatismo das reações em cadeia causados pelas alianças político-militares, e o fatal entrelaçamento de circunstâncias infelizes conduziram as relações para um conflito mundial.
Em 1961 Fritz Fischer, argumenta que a Alemna é culpada sim, pela Primeira Grande Guerra, e que a política alemã que a conduziu a Primeira Guerra, é o berço da política do Terceiro Reich de Adolf Hitler.
Mas o mais importante a identificar é a íntima relação da política externa alemã, com os fatores internos sociais e políticos. Os historiadores atualmente, apontam convincentemente para o interelacionamento da legitimidade interna do sistema político com o prestígio na política exterior. Destacam também como fator determinante, o pessimismo profundo das elites dominantes na Alemanha que em julho de 1914 tentaram romper a situação defensiva na política externa bem como na interna, com sucesso espetacular, que traria a volta ao prestígio e legitimidade perante o seu povo.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal