Uso da semente do gênero moringa



Baixar 44.23 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho44.23 Kb.
Uso da semente do gênero moringa
Mario Augusto de Almeida Neto

Coordenação da Articulação Água Nordeste



E-mail: adriano@plug.com.br
Resumo
Tradicionalmente, em diferentes países do continente asiático, africano e sul-americano, varias plantas estão sendo utilizadas como coagulantes ou floculante natural. O objetivo deste processo é precipitar os colóides presente nas águas destinadas principalmente ao consumo humano. Devido principalmente à presença de partículas argilosas e de matéria orgânica, estas águas não apresentam os padrões qualitativos para o consumo tanto do ponto de vista físico (turbidez alta) como da contaminação microbiológico. O gênero MORINGA, e particularmente as espécies M olerifera e M stenopetala, destacam-se como um dos mais promissores coagulantes naturais. Além desta propriedade de coagulação contida nas sementes, estas arvores de médio porte apresentam outras funções (farmacêutico, alimentar, melífera) valorizadas nos numerosos países tropicais onde este gênero esta presente.
1. ALGUMAS INFORMAÇÕES SOBRE O GÊNERO “MORINGA
1.1 ALGUNS DADOS BOTÂNICOS
A pequena família Moringaceae, da ordem papaverales, conta com apenas um gênero (Moringa). Das 14 espécies conhecidas, 9 são originarias da África, 2 de Madagascar, 1 da Arábia e 2 da Índia. O efeito coagulante foi demonstrado para 6 espécies, porem somente 2 foram objetos de pesquisa mais intensa: a M. oleifera Lam. Originaria da região noroeste da Índia que esta difundida em muitos países tropicais e a M. stenopetala originaria da Etiópia (Al azharia Jahn, 1998).
São plantas arbóreas de crescimento rápido, caducifólias, com casca de cor clara, atingindo até 10 metros de altura. O fruto seco, capsular, de seção triangular se abre em 3 valvas. As sementes possuem 3 asas.
1.2 HISTÓRICO DA DIFUSÃO
A difusão da Moringa oleifera está ligada aos impérios colonialistas do século XIX. Os funcionários ingleses levaram a semente da Índia para a África do leste, principalmente no Sudão. Inicialmente, o uso desta arvore era principalmente ornamental. A descoberta das propriedades do óleo contido nas sementes, deu um valor comercial a esta planta e, consequentemente uma difusão mais ativa por parte dos ingleses, mas também dos franceses e holandeses. No final do século XIX, foi introduzida na América Central (Guatemala) a parti do Haiti (Cárceres et al.). No Brasil, a introdução da arvore foi tímida e limitou-se a objetivos de ornamentação nos parques públicos (Brandão Joly, 1977).
1.3 CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS
Segundo uma pesquisa de Mayer et al. No sul da Etiópia, M. stenopetala se adapta bem as condições climáticas tanto do clima semi-árido como sub-úmido com altitude inferior a 2000 metros. As exigências assimilam-se às da M. stenopetala: uma pluviometria mínima da ordem de 600 a 700 mm, temperaturas ótimas entre 24 e 30 ºC e solos bem drenados. Segundo um estudo edáfico dos mesmos autores, a planta não apresenta exigências especificas em termos de tipos de solo a não ser a impossibilidade de se desenvolver em solos encharcados.

A propagação da semente da M. oleifera não apresenta dificuldades qualquer que seja escolhido o método. Plantio direto, produção de mudas a partir de sementes ou de estacas.

Segundo vários autores, a melhor taxa de germinação da moringa obtém-se depois de deixar a semente 24 horas na água a temperatura ambiente. O plantio em viveiro (bolsa de polietileno) é realizado imediatamente depois. Os resultados mostraram uma taxa de germinação da ordem de 90% com sementes de até 9 meses (Cárceres et al).
1.4 CARACTERÍSTICAS FENOLÓGICAS:
1.4.1 Primeira frutificação:

A idade da arvore na primeira frutificação é variável; em geral, considera-se que a Moringa oleifera frutifica no primeiro ano nas condições ideais de manejo. Nas regiões semi-áridas da África, considera-se que a M. oleifera frutifica a parti do segundo ano (Wolfrom Nigg, 1993).


1.4.2 Floração/Frutificação:

A floração acontece geralmente no final da estação úmida, a perda das folhas ocorre no inicio do período seco. As observações de vários autores mostraram que freqüentemente existem vários estados fenológicos ao mesmo tempo numa arvore: folhas, flores e frutos mais ou menos maduros.


1.4.3 Produtividade em vagens

Comprimento das vagens:

Segundo Al Azharia Jahn, o comprimento das vagens da M. oleifera é muito variável e pode ser classificado em três grupos:

 Vagens curtas com um comprimento variando entre 15 a 25 cm;

 Vagens médias com um comprimento variando entre 25 a 40cm

 Vagens longas com um comprimento variando entre 50 a 90 cm


Número de vagens por arvore:

O número de 300 vagens por arvore foi apresentado como um máximo no Egito, Sudão e Quênia por B. Durand citado por Wolfrom Nigg. porem, na Índia, Al Azharia Jahn, chegou a calcular produção de 1.000 até 1.600 vagens por arvore.


Numero de sementes por vagens:

Pode-se considerar que o numero satisfatório de sementes oscila entre 10 e 20 por vagem.


Estimação da produção anual de sementes

A mesma autora classificou o nível de produção anual das M. oleifera em três níveis:

 Baixo - 1,5 a 2.000 sementes/planta

 Médio - 6 a 8000 sementes/planta

Elevado – 20 a 24000 sementes/planta

Na bibliografia consultada, os números de produtividade apresentam grandes variações segundo os autores, os países, o clima (sobretudo, a disponibilidade de água) más também o manejo da arvore.


2. UMA PLANTA DE USO POLIVALENTE
COAGULANTE PRIMÁRIO:
Várias pesquisas no mundo mostraram que os cotilédones de 6 espécies do gênero Moringa contém propriedades de coagulação. Isso que permitem precipitar as partículas de barro contidas tudo nas águas de origem superficial como a dos açudes e barreiros. Posteriormente, retira-se o resíduo precipitado para obter uma água de boa qualidade.

Esta função é realizada no mundo inteiro, com um produto químico, sulfato de alumínio. No meio rural, os moradores geralmente consomem a água bruta, com contaminação microbiológica e turbidez muito acima dos “limites aceitáveis”. A possibilidade de utilizar um coagulante primário natural, produzido no local e com baixo custo representa um grande potencial na luta contra os problemas ligados ao consumo de água não potável.


2.1.1 - Principio ativo:
A tentativa de isolar o produto coagulante presente nas sementes, foram identificados 6 polipeptídios na M. oleifera e 9 na M. stenopetala, de peso molecular entre 6 e 16.000 daltons. Os aminoácidos detectados foram maioritariamente o ácido glutâmico, a proline, a metionine, e a arginine (Al Azharia, 1988). Más o mecanismo de coagulação pelos polipeptídios é ainda desconhecido.
2.1.2 Realização da coagulação
O tratamento físico das águas barrentas pela semente da Moringa efetua-se em duas etapas :

Primeiro a preparação de suspensão ativa e depois a clarificação da água.


Preparação da suspensão feita com pó da semente:

É aconselhável utilizar sementes colhidas recentemente porque as propriedades floculantes das sementes podem diminuir com o tempo. A dose a ser utilizada depende da turbidez inicial da água: no caso de água de turbidez fraca (pouco barrenta), uma suspensão com uma semente é suficiente para um volume de água a tratar de 5 litros, mas esta dose pode subir até uma quinzena de sementes no caso de uma água de alta turbidez. Isso corresponde a uma necessidade variando entre 50 e 400 mg de sementes por litro de água a tratar.

Os diferentes passos da preparação da suspensão são os seguintes:

 Deve-se retirar as asas e casca da semente; somente deve-se utilizar sementes cujos cotilédones não apresentam óbvios sinais de descoloração e/ou extrema dessecação.

 Cortar as sementes em pequenos pedaços

 Num pilão, moer os pedaços

 Agrega-se água limpa na medida seguinte: 1 colher de sopa (10ml) para cada semente

 Mexer durante 2 a 5 minutos, o produto obtido é uma pasta oleosa chamada de suspensão

 Deixar descansar durante 5 minutos

 Filtrar para retirar as partículas (no meio rural pode-se utilizar um pano de algodão)

Depois da filtração, a suspensão esta pronta para ser utilizada para o tratamento da água. Em clima seco e quente, a suspensão não tem estabilidade e, portanto, deve ser preparada diariamente. A uma temperatura de 18-19ºC, a suspensão tem uma validade de 3 dias. Refrigerada, a validade pode atingir até uma semana.
Clarificação da água

 Despejar a suspensão na água a ser tratada

 Mexer rapidamente durante 30 segundos

 Mexer lentamente durante 5 minutos (18 a 20 rotações por minuto)

 Cobrir o recipiente

 Deixar descansar entre 1 ou 2 horas (isso depende da qualidade e da temperatura da água). No fundo do recipiente, são acumuladas todas as partículas grossas deixando a água limpa pronta a ser consumida.


2.1.3 Resultados de coagulação de água barrenta:
O uso das ementes da Moringa como coagulante apresenta uma dupla vantagem:

 Primeiro, um efeito de tratamento físico (diminuição da turbidez) da água pela coagulação do material em suspensão.

 Segundo, um efeito de tratamento biológico eliminando os microorganismos patogênicos; esta ação é devida a dois fatores: primeiro, uma grande parte dos microorganismos estão fisicamente ligados as partículas em suspensão na água. Quando estão retiradas depois da coagulação, elimina-se estes patogênicos. Além desta propriedade interessante, uma pesquisa de Al Azharia Jahn (1981;1986) sobre duas espécies de Moringa(M. stenopetala e M. oleifera) mostrou que os cotilédones contém uma substancia antimicrobiana aumentando o efeito do tratamento biológico da água. Segundo Al Azharia Jahn, com a dosagem de semente adequada, é possível reduzir de 98 a 100% o numero de coliformes fecais de águas brutas inicialmente fortemente túrbidas, após a coagulação, a uma turbidez inferior a 10 ntu³.

A água tratada por este método foi objeto de pesquisa para verificar a potabilidade: resíduo nocivo, mudança de ph, de sabor, de cor... Os resultados mostraram que a água tratada pela semente da moringa não apresenta nenhum perigo para a saúde humana (Al Azharia Jahn, 1988).


2.2 OUTROS USOS:

A literatura faz referencia a múltiplos usos das plantas do gênero Moringa:

 As sementes contém, segundo os autores, entre 27 e 40% de óleo que apresenta a características de não secar. Esta propriedade permitiu o uso para mecanismo de precisão como dos relógios, a parti do século XIX. foi usado também no Haiti como óleo de cozinha e ingredientes na fabricação de sabão durante a primeira guerra mundial. Atualmente, teria um uso na industria de cosméticos para fixar substancias. Segundo Folkard et al., seria possível extrair o óleo da semente e depois utilizar o resíduo para coagulação. Isto não reduziria a eficiência do principio ativo.

 As folhas contém cerca de 27% de proteína, são ricas em vitamina A e c, cálcio, ferro e fósforo, os que as tornam interessante para a alimentação humana e/ou animal. Lembramos que em vários países da África do Oeste, a Moringa é uma planta comercial para a produção de folhas com destino ao consumo humano.

 Outras partes da arvore são consumidas pelos humanos como as vagens verdes e às vezes as flores

 Os usos farmacêuticos de várias partes da arvore foram trabalhados pelo CEMAT na Guatemala como anti-inflamatorio, anti-espamódico... Foram identificadas também substâncias antibióticas como a ptérygospermine e a espirochine (Wolfrom Nigg, 1993).

 A arvore apresenta propriedades melífera sendo portanto aproveitável na apicultura.

3. POTENCIAL DE DIFUSÃO NO BRASIL:
3.1 A PROPOSTA DE VALORIZAÇÃO DO GÊNERO MORINGA NO NORDESTE BRASILEIRO:
Dentro dos diferentes potenciais da Moringa, o mais promissor parece ser a função de coagulante primário. Podemos imaginar duas zonas de difusão que significam estratégias diferentes: meio rural ou seja as comunidades rurais sem sistema de abastecimento d’água e o meio urbano.
3.1.1 A difusão da Moringa para o tratamento da águas de consumo familiar na comunidades rurais:
A proposta consiste em uma produção familiar de sementes visando suprir a demanda para o tratamento das águas destinadas a beber e cozinhar. O tratamento seria feito nos próprios potes onde a água é armazenada; a dona de casa colocaria a água e a suspensão a noite para o consumo do dia seguinte. Registros colocados na base do pote (chamado também de “moringa”) permitiriam de esvaziar o acumulo coagulado e a água tratada.

Calculo da demanda anual em sementes por família:

Considerando uma família de 8 pessoas consumindo 3 litros de água para beber e cozinhar por pessoa por dia, chegamos a um total anual de 3x8x360 = 8.640 litros/família/ano. Para Ter uma margem superior, vamos considerar 10.000 litros de água para beber e cozinhar por família anualmente. Vamos trabalhar com uma hipótese de uma dosagem média anualmente de 1 semente por cada litro. Isto nos leva a uma demanda de 10.000 sementes de Moringa/família/ano.

Calculo da quantidade de arvores necessários para suprir à demanda familiar

Considerando os dados bibliográficos disponíveis, podemos supor que o nível de produção no Sertão seja baixo, devido à pouca disponibilidade de água, uma média de 2.000 sementes/arvore/ano e um nível superior no Agreste de 5.000 sementes/arvore/ano. Este cálculo muito aproximado nos levaria a uma necessidade de 5 arvores/família no Sertão e 2 arvore/família no Agreste.
3.1.2 A difusão da Moringa para o tratamento das águas no meio urbano:
Sem dúvida, não é uma proposta aplicável imediatamente porque necessita numerosas pesquisas e ajustes. Porem, não é uma proposta utópica já que algumas experiências no mundo estão revelando-se frutuosas como no Malawi (citado por Folkard es al). As vantagens do uso de coagulante natural como a Moringa em substituição ao sulfato de alumínio são bastante convincente: economia de divisas já que o sulfato de alumínio é importado, criação de uma cadeia de comercialização completa de uma nova cultura de renda podendo ser produzida tanto no Agreste como no Sertão.
4. BIBLIOGRAFIA
 Al Azharia Jahn S. “PROPER USE OF AFRICAN NATURAL COAGULANTS FOR RURAL WATER SUPPLIES: research in the Sudan and a guide for new projects”, GTZ, 1986, 541 p.

 Al Azharia Jahn S. “TRADITIONAL WATER PURIFICATION IN TROPICAL DEVELOPING COUNTRIES: existing methods and potential application” GTZ, 1981,273 p.

 Al Azharia Jahn S. EL USO DE LA MORINGA OLEIFERA COMO ALIMENTO Y LA PURUFICACION DEL ÁGUA, seleccion de clones y cultivo de la moringa anual de tallo curto”, GTZ, 18 p.

 Al Azharia Jahn S. “USING MORINGA SEEDS AS COAGULANTS IN DEVELOPING COUNTRIES”, p. 43-50 in journal AWWA, management and operations

 Al Azharia Jahn S. “MORINGA OLEIFERA FOR FOOD AND WATER PURIFICATION, selection of clones and growing of annual short-stem”, p. 22-25 in Pflanzenzucht, Entwicklung + Lãndlicher Raum 4/89

 Al Azharia Jahn S. THE TRADITIONAL DOMESTICATION OF A MULTIPURPOSE TREE MORINGA STENOPETALA (bAK. f) IN THE ETHOPIAN RIFT VALLEY”, p. 244-247, in ambio vol. 20 nº 6, sept. 1991

 Cárceres A et Al., “ETHNOBOTANICAL AND AGONOMICAL ATUDIES OF MORINGA OLEIFERA LAM. iN gUATEMALA”, CEMAT, 12 p.

 CEMAT, “CUATRO INFORME SEMESTRAL Y FINAL DEL PROYECTO: evaluación de las características etnobotânico-agronômicas y las propriedades sanitário-farmacológica de Moringa oleifera lam. En Guatemala”, 37 p.

 Folkard G., SUTHERLAND J., “MORINGA OLEIFERA, A MULTIPURPOSE TREE”, p. 14-15 in Footsteps nº 20, 1986

MAYER Frank A, STELZE.,”MORINGA STENOPETALA PROVIDES FOOD AND LOWCOST WATER PURIFICATION” in Agroforestry Today – vol. 5/nº 1, Jan/Mar 1993, p. 16-18



 WOLFROM NIGG., “LE MORINGA OLEIFERA, état des connaissances, programme d’investigations complémentaires” CIEH, 1993, 63 p.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal