Usos e abusos dos espaços citadinos: perceçÃo e vivênciados cronistase radialistas dos espaços de lazer da cidade de teresina no século XX nilsângela Cardoso Lima



Baixar 61.22 Kb.
Encontro23.07.2016
Tamanho61.22 Kb.


USOS E ABUSOS DOS ESPAÇOS CITADINOS: PERCEÇÃO E VIVÊNCIADOS CRONISTASE RADIALISTAS DOS ESPAÇOS DE LAZER DA CIDADE DE TERESINA NO SÉCULO XX
Nilsângela Cardoso Lima

Universidade Federal do Piauí

Mestre em História do Brasil

nilcardoso@gmail.com

No início do século XX, Teresina era vista como uma cidade desprovida de locais apropriados para o lazer e para o passeio público. Cronistas da época reclamavam a necessidade de se reformar os locais existentes para que a sociedade teresinense pudesse fazer seus passeios, pois as praças públicas não possuíam feição estética, sendo descampadas e pouco arborizadas. A partir dessas reclamações e com as mudanças que vinham ocorrendo com o processo de modernização da cidade, a partir de 1915, Teresina ganhou um local apropriado para o passeio público com a urbanização da Praça Rio Branco.


Fotografia 03: Praça Rio Branco em 1913.

Acervo do Arquivo Público de Teresina Casa Anísio Brito

No ano seguinte a sua urbanização, inaugurou-se na praça Rio Branco a iluminação elétrica, o que contribui para que o espaço1 passasse a ter uma freqüência mais animada durante a noite. Apesar de deficiente, o sistema elétrico de Teresina fornecia iluminação necessária para que a Praça fosse freqüentada das dezenove às vinte horas, pois entre vinte e uma ou vinte duas horas era tocado o apito da Usina Elétrica ou o toque da corneta da Polícia Militar, avisando que dali a poucos instantes o sistema de iluminação seria desligado. Os freqüentadores, ao ouvirem a sirene deixavam a praça, ficando apenas os boêmios que perambulavam por ali, na busca de outros locais de entretenimento.

Por estar localizada em um ponto central da cidade, tendo como referência a Igreja do Amparo e ficando próximo a outros pontos de lazer, como, por exemplo, o Café Avenida e o Bar Carvalho, a Praça Rio Branco caracterizava-se também como "sala de espera", para as pessoas que marcavam encontros no local, para dali se dirigirem aos cinemas, teatros, cafés, bares, dentre outros espaços de sociabilidade. Na década de 1930, a Praça Rio Branco começou a perder sua hegemonia como local exclusivo de passeio público dos teresinenses. Com a reforma da Praça Pedro II em 1936, realizada pela Prefeitura de Teresina e com a instalação do Cine Rex e do Cinema São Luis no entorno da praça, esse espaço tornou-se mais aprazível para o footing da “fina flor” da sociedade teresinense.





Fotografia 04: Praça Pedro II na primeira metade do século XX.

Acervo do Arquivo Público do Piauí Casa Anísio Brito

Do mesmo modo que a Praça Rio Branco oferecia um espaço propício a namoricos e ao desfile das moças com os últimos modelos da moda do Rio de Janeiro e daquela mostrada no cinema, a Praça Pedro II se revelaria como o mais novo atrativo espaço para o divertimento da população. Os jardins floridos e os carnaubais decorativos eram pontos de encontros e desencontros de rapazes e moças, senhoras e senhores, constituindo-se num espaço em que “[...] as jovens da época desfilavam em redor de um círculo, para deleite de seus admiradores” (MARINHO, 1996, p. 56). As noites na Pedro II eram iluminadas pelo sistema de energia elétrica e eram animadas pelas bandas de música da Polícia Militar e do Exército nas quintas-feiras e aos domingos, executando peças musicais. Além de servir como lazer público, também era palco para alguns intelectuais da cidade trocarem idéias e sabedorias.

A estrutura física original da Praça Pedro II tem sido apontada como um dos fatores que contribuíram para uma “segregação social” do seu espaço. Separada transversalmente por uma rua, a praça sugeria a coexistência de dois “mundos”: primeiro, a “praça de baixo”, local privilegiado para moças da sociedade e da elite local, e o segundo, a “praça de cima”, denominada também “praça das curicas”, freqüentada pelas empregadas domésticas e pessoas das classes populares, que faziam dali um ambiente de divertimento e de festa popular.


A praça de baixo, além de dois canteiros gramados, possuía um círculo com um globo no centro, que à noite se tornava luminoso e ficava aparentando uma bola de cristal, onde seus freqüentadores poderiam imaginosamente prever o futuro. Era como se estivessem ofuscadas pelo globo luminoso que as jovens da época começavam a rodear esse círculo a partir das 19:00 às 21:00 horas, quando então se retiravam ao ouvirem o som de uma corneta do Quartel Geral da Polícia Militar do Piauí, que ficava situado no lado sul da Praça de Cima. A Praça de Baixo era mais freqüentada pelas empregadas domésticas e pessoas do seu mesmo nível social porque, embora utópico, existia na época um apartheid social que promovia ostensivamente a separação de classes sociais, tendo em vista que Teresina ainda era uma cidade completamente provinciana [...] (MARINHO, 1996, p. 56).
Todavia, “[...] se o traçado da Pedro II contribuía para essa separação entre ricos e pobres, a música os unia. A música a serviço da comunidade, divertindo o povo nas pracinhas acolhedoras. [...] A música gerando amizades, conservando as existentes distribuindo paz e alegria” (NASCIMENTO, 1999, p. 66).

O passeio público em Teresina, portanto, pode ser visto também com um refúgio para o público feminino que se encontrava no limite privado, porém esse espaço praticado pelo footing de rapazes e, principalmente, das moças não era visto com bons olhos, sendo condenado pela igreja católica e pelos mais conservadores, por considerarem que o passeio público servia de mercantilização feminina. Entretanto, o traçado requintado e atrativo das praças propiciava um ambiente em que pessoas de todas as camadas sociais, fossem senhoras e senhores, fossem rapazes e moças ou crianças, buscassem na praça diversão, flertes, namoros e conversas, até o momento de “soltarem a onça”:


[...] era pequena a cidade, mas aos domingos havia retreta na Praça Rio Branco, no coreto ficava tocando, agora dando a volta ali pelo relógio, indo em direção ao arquivo, lá desse lado tinham uns canteiros onde as moças ficavam rezando e os rapazes ficavam de fora, mas quando dava nove horas elas desapareciam por encanto. Na praça Pedro II, a gente saía do cinema e ia esperar dar seis horas no teatro, depois o Rex foi construído e eu já estava no ginásio, tinha um cinema do velho Alfredo e as moças também ficavam passando, quando dava noves horas, que tocava a corneta da polícia militar, que ficava ali de frente ao centro artesanal, aí a gente dizia brincando que tinham soltado a onça, que as moças desapareciam num canto, nenhuma moça, como se chamava naquele tempo, nenhuma ficava na praça. Ninguém ia ao cinema só, quando os pais deixavam iam duas, três. Elas andavam sempre de três (SANTANA, 1999).
A chamada “hora da onça” ficou na memória daqueles que vivenciaram a Praça Pedro II, bem como, a praça Rio Branco, na primeira década do século XX, constituindo-se em espaços da memória. Sabendo que a memória se enraíza no concreto, no espaço, no gesto, na imagem, no objeto, no som (NORA, 1981), os espaços da memória constituem o ambiente em que vivenciamos e o qual nos remete a certas lembranças e afetos.

A lembrança de Raimundo Nonato M. de Santana retrata um tempo vivo da memória individual que é ao mesmo tempo coletiva. Para Maurice Halbwachs (2006), a memória individual é apenas um ponto de vista sobre a memória coletiva, porém isso só acontece quando nos identificamos com o grupo, com o seu passado. Embora a memória seja coletiva, quem lembra é o indivíduo, que lembra a partir de sua vivência com o grupo, pois memória é interação, uma vez que, mesmo quando nos fechamos em nosso interior, ainda assim estamos convivendo com os outros, mesmo que não materialmente. Isto é, a memória individual é construída a partir de uma negociação com a memória coletiva, não sendo de fato original, pois as lembranças, as idéias são oriundas de outras conversas que posteriormente passam a ser sua história.

Em Teresina, no final do século XIX e início do XX, a música configurava o centro da vida sociocultural, pois, além das retretas exibidas pela Banda da Polícia Militar no ambiente da praça, havia os saraus e bailes do Clube dos Diários, considerados os mais difundidos e generalizados das formas de lazer em Teresina.

O cinema, símbolo da modernidade, era considerado uma das maiores atrações de divertimento da elite local, sobretudo, nas primeiras décadas do século XX. As duas primeiras casas de espetáculos cinematográficos, em Teresina, foram o Cine Royal e o Olímpia, que encantavam a população com a exibição de filmes mudos. Mesmo oferecendo acomodações precárias, aqueles espaços recebiam um número significativo de espectadores, que não queriam perder um só número dos seriados. Somente em 1933, é que o cinema falado chega à capital, com a exibição da fita Doce como Mel, no Theatro 4 de Setembro.

Durante algum tempo, por falta de um local próprio, os filmes eram exibidos no teatro, que passou a ser chamado de Cine-Theatro 4 de Setembro. Para Nascimento, embora o “[...] cinema se traduzisse, já nos anos vinte, como um tipo de lazer preferido pela sociedade, os empresários locais, entretanto não tiveram o cuidado de dotar a cidade de edifícios construídos com a finalidade de exibir fitas, [de maneira que] as casas de exibições eram improvisadas” (NASCIMENTO, 1999, p. 63).

Em 1939, foi inaugurado o Cine Rex e, em 1941, o Cine São Luís. Esses símbolos da modernização traduziam não só sinais de “melhoramento” na cidade, promovendo uma forma de lazer moderno, como também foi interpretado por alguns setores como “a invenção do diabo”, e, por isso, foi freqüentemente perseguido e alvo da crítica daqueles que ligados às concepções da igreja católica, acusava o cinema de ser um instrumento de influência negativa para a moral e os bons costumes dos teresinenses.

Até meados do século XX, o escurinho do cinema foi considerado pela censura moral e cristã como um ambiente que promovia alterações no comportamento dos homens e das mulheres. Os mais conservadores achavam que o conteúdo exibido nas sessões cinematográficas eram de cunho erótico e pervertido para a época, ou seja, cenas de beijos e gestos ditos obscenos e imorais, como um abraço mais ousado. Se as cenas eram “ameaças” à virtude de seus espectadores, para os freqüentadores, a sala do cinema constituía-se num “[...] dos poucos lugares onde os olhares dos pais e mexeriqueiros de plantão não alcançavam os jovens sedentos de amor” (NASCIMENTO, 1999, p. 65). Daí a necessidade por parte dos conservadores de ter um controle maior deste “novo” espaço de lazer moderno e, sobretudo, daquilo que ele estava oferecendo para a formação da sociedade teresinense, que ainda era marcada pelos preceitos provincianos e conservadores. Assim, nos anos 1930:
O cinema teria modificado o namoro adulto e esse modelo teria sido absorvido pelas crianças. Esse momento marcaria a emergência do namoro infantil, que incorpora toda uma simbologia e uma ritualística imitadas dos filmes românticos, que começam a se impor a partir da segunda década do século. Com o advento do cinema o emergente namoro infantil incorporou todas as fazes do amor romântico cinematográfico: bilhetes amorosos, troca de cartas perfumadas, envio de flores, duelos entre concorrentes (evidentemente falsos duelos), apertos de mãos significativos, entrevistas ao jardim, olhares longos, amuos e juras de estilo, pequenas rusgas, cenas de ciúme exacerbadas, suicídios de pares amorosos, reconciliações dramáticas, enfim, todo um ritual que é próprio do amor romântico, conforme o modelo estabelecido nos filmes. Em alguns casos elas chegariam a adotar soluções mais dramáticos, como brigas com colegas na disputa da presa amorosa, no caso a menina, e mesmo cometer suicídios (QUEIROZ, 1993, p. 41).
De acordo com Queiroz, o cinema, essa “invenção do diabo”, deve ser considerada como “um elemento de transformação cultural” (QUEIROZ, 1993, p. 40), uma vez que promoveu alterações nos relacionamentos e no namoro; no universo lúdico das crianças no tocante às brincadeira; na poesia; nas relações familiares, dentre outros aspectos. O raio dessas transformações atingia tanto a elite quanto as classes populares, pois o público cinematográfico era heterogêneo, visto que era cobrado preço diferenciado, para a entrada no cinema, variando com a disposição das cadeiras.

Ainda na década de 1930, o centro da cidade de Teresina ganhou um novo elemento: a instalação da rádio amplificadora na Praça Pedro II e na Praça Rio Branco, considerados locais de entretenimento e sociabilidade. Naquele período, Teresina constituía uma das poucas capitais do Brasil que ainda não possuíam uma estação de rádio, contando apenas com um sistema de amplificadoras2, que exercia, de certa forma, função de rádio local. Na cidade havia várias amplificadoras, porém, até a primeira metade do século XX, apenas duas de maior relevo: a Rádio Amplificadora Teresinense e a Rádio Propaganda Sonora Rianil.

Ao longo dos logradouros, as amplificadoras eram estruturadas por um sistema de alto-falantes, um mastro, um projetor de som e um estúdio improvisado, de maneira que os locutores organizavam uma programação muito próxima a de uma emissora de rádio, exibindo programas noticiosos, musicais e, principalmente, comerciais publicitários, que atendiam ao público em geral que freqüentava as praças Pedro II e Rio Branco. As amplificadoras foram também as precursoras dos programas de auditório e de calouros, shows com artistas do rádio nacional, em Teresina. E no que tange ao caráter informativo e noticioso, fizeram as primeiras retransmissões de jogos de futebol, em Teresina, no ano de 1938.

Embora se constituíssem num instrumento que simbolizava a presença da modernidade em Teresina, as amplificadoras, a partir de determinado momento, passaram a ser criticadas através da imprensa escrita local, em decorrência da “polifonia” em que se transformou o centro urbano de Teresina, pelo fato de as amplificadoras disputarem o espaço sonoro com a divulgação dos anúncios de comerciantes locais e com transmissão de músicas das estrelas do rádio. Mais do que a concorrência sonora que se fazia em torno do centro comercial de Teresina, as críticas em relação às amplificadoras tinha outros interesses.

As amplificadoras, portanto, ensaiavam os primeiros passos de uma emissora de rádio em Teresina, já trazendo novos elementos para a trama do cotidiano local, seja promovendo shows artísticos das emissoras de rádio nacional, seja através de recadinhos que ajudavam a incrementar a paquera de moças e rapazes que freqüentavam as praças, através do oferecimento de músicas e de “recadinhos do coração”.
[...] (Eram) milhões de mensagens que os admiradores nos chamavam. [...] Ah!, era formidável, muito interessante, era uma gentileza muito grande, né? [...] Eu fui uma mulher de uma geração privilegiada, né? Por que eu fui muito solicitada, eu tive muitos fãs, muitos admiradores, né? (MORAIS, Genu Apud SOLON, Op. cit., p. 45).
A fala de Genu Morais evidencia que o anúncio e as músicas oferecidas de “fulano para fulano de tal” pelo alto-falante representava muito mais do que o flerte daquele que oferecia a canção. A moça à qual era oferecido o “recadinho” destacava-se entre aquelas que ficavam na espera da música oferecida, bem como demonstrava que possuía um admirador, o que poderia ser um passo para um futuro namoro e casamento. Nas primeiras décadas do século XX, ainda estava muito presente o estigma de “mulher solteira”, de maneira que muitas delas queriam sair daquela condição. Segundo Pedro Vilarinho Castelo Branco:

As imagens das mulheres solteiras na sociedade eram as seguintes: a primeira, de mulher desavergonhada que vivia de seus encantos, a seduzir os homens casados e ameaçar a tranqüilidade e o equilíbrio das famílias; rival das casadas, era motivo de preocupações. A segunda, era a de que não teve atrativos suficientes para conquistar um homem, que não soube prendê-los aos seus encantos; vista em tom de zombaria, de reprovação, a ela eram direcionados adjetivos como rabugenta, maledicente, intrigante, histérica e maldosa. Uma terceira imagem, projetada pela figura da mulher sozinha, mostra aquela moça bonita e cheia de vida que, no passado, por indecisão ou por esperar melhor partido, acabou por perder várias oportunidades e transformou-se, finalmente, na mulher frustrada, mal-humorada e solitária (CASTELO BRANCO, 2001, p. 290-291).


Com a instalação das amplificadoras nas mediações da Praça Pedro II, a presença dos alto-falantes provocou uma certa modificação na regularidade das retretas da Banda da Polícia na praça, visto que devido à concorrência sonora entre o som emitido pelas amplificadoras e aquele produzido pelos instrumentos da Banda, esta perdia a sua intensidade não podendo mais ser ouvida como antes. Assim, as retretas, que aconteciam as quintas e aos domingos, foram perdendo sua regularidade, como reclama um de seus ouvintes e apreciadores, através do Jornal A Cidade, em 1951: “Hoje em dia, vez por outra, ainda há retretas, mas já não podem ser ouvidas como dantes, com tanto enlevo – o barulho ensurdecedor dos alto-falantes não nos permite mais esse prazer” (SILVA, 1952, p. 2).

A reclamação de Joseman da Silva revela que o novo meio sonoro, representado pelas amplificadoras, se impôs frente à “tradicional” retreta da banda de música, que, durante algum tempo, animou a Praça. Sua fala entristecida remete a um tempo vivo da memória em que as retretas abrilhantavam a Pedro II, quando ainda não existiam os alto-falantes.

Vale ressaltar que a historiografia piauiense tem atribuído o papel de “coração cultural” da cidade à Praça Pedro II, particularmente, por agregar ao seu redor os cinemas, o teatro, o Clube dos Diários e alguns bares. Essas opções de lazer, embora permitissem a entrada de um público heterogêneo, exigiam um cuidado com as vestimentas, o que impedia uma maior participação popular. No entanto, as camadas populares tinham outras opções de divertimento, como a própria praça Pedro II, principalmente, no seu espaço físico denominado “praça das curicas”, além de festas, batuques, festejos religiosos e festas organizadas pelas amplificadoras nos bairros mais afastados do centro da cidade.
A Rádio Difusora de Teresina na trama do cotidiano teresinense dos anos 1950-60
A entrada do rádio como uma nova ferramenta de lazer, se dá a partir da importância adquirida junto ao público ouvinte e começa a modelar novo hábito na sociedade teresinense, propondo uma nova forma de viver.

Mike Featherstone (1995) considera que, com os avanços tecnológicos, as sociedades contemporâneas passam a ter uma maior variedade de escolhas e de consumo, sobretudo, promovida pelos meios de comunicação de massa. A entrada dos meios de comunicação aumenta as opções de cultura, lazer, divertimentos, e com isso vai “rompendo”, ou acrescentando, com as formas tradicionais existentes. Com a instalação da Rádio Difusora de Teresina (RDT), no final dos anos 1940, no que tange às novas opções de lazer oferecidas, através de sua programação, deve-se considerar que não há um rompimento, de fato, com as formas de lazer tradicionais, mas uma modificação, uma remodelação de hábitos, na medida em que as pessoas não deixaram de sair ou de ir se verem nas praças, o que houve foi uma redefinição do tempo e uma entrada do rádio nas sociabilidades.

Os meios de comunicação, portanto, acirrou novos processos, ao inaugurar outra relação com a informação e com a ficção (radionovelas), mas o cinema, por exemplo, não deixou de ser freqüentado, por causa do rádio e nem mesmo por causa da televisão, embora tenham ocorrido algumas modificações. Se até final do século XIX e início do século XX, as pessoas organizavam seu cotidiano e seu lazer de acordo com as atividades e a partir das opções de divertimento que a cidade oferecia a elas, com o rádio, muitas atividades eram feitas antes ou depois de determinados programas. Assim, num período em que o rádio tinha audiência absoluta, alguns horários passaram a ser considerados “sagrados”, em decorrência de programas de preferência nacional, como por exemplo, o Jornal Q-3 e as radionovelas:
[...] Tava todo mundo conversando aí um dizia: “Agora o senhor dá licença que eu vou ouvir o Jornal Q-3”. Quer dizer, ficar todo mundo preso ao Jornal Q-3, que era o jornal que entrava com as notícias. No interior se pegava a Difusora. Do mesmo jeito o Jornal Q-3, como hoje você vê marcar um encontro: ‘Depois do Jornal Nacional a gente conversa’. Então, do mesmo jeito a Difusora passou a fazer parte da sociedade. O Jornal Q-3 era ponto de referência: era antes ou depois do Jornal Q-3, o sujeito tava num lugar, aí dizia: “Tá na hora do Jornal Q-3, depois a gente conversa” (SILVA, 1990).
A inauguração da RDT, no final dos anos 1940, significou mais que um empreendimento de progresso para a cidade de Teresina, disponibilizando novos fios para que as pessoas tramassem seu cotidiano. O ventríloquo chamava os ouvintes para perto do aparelho receptor, no aconchego do lar, para dali viajarem pelo mundo da fantasia dramatizada das radionovelas, se “sensibilizarem” com o drama da vida real através do Grande Jornal Q-3, e aquecerem seus corações de fãs com a vinda dos astros do rádio nacional e a cada anúncio de um gol. A RDT colocou em cena novas formas de viver, ao promover a estetização do cotidiano, e trazer à baila a contradição do próprio veículo de comunicação no que tange ao espaço público e ao privado, pois, na medida em que seduzia os ouvintes para ficarem em casa ao pé do rádio, atraía homens e mulheres para o exercício de uma nova atividade profissional.

O lazer moderno apresenta-se de várias formas, no caso do rádio, e não diferentemente do cinema e da televisão, tem o caráter específico de se mostrar como um espetáculo, e através do estético estabelece a relação do consumo imaginário. As telecomunicações, a programação e a informação midiática entra nos lares e se insere no seio familiar como um novo elemento. Isso contribuiu para uma mudança no cotidiano privado, bem como nas relações familiares, pois a informação transmitida pelo rádio se torna pertinente no diálogo entre as pessoas da mesma casa, entre vizinhanças e amigos. A família não é mais apenas constituída pela tríade: pai, mãe e filhos, mas também de uma série de personagens criados pelas radionovelas que se inserem na família como um novo parente, com quem é obrigado a se preocupar, comentando e compartilhando seus problemas e, ainda, levantando soluções para as cenas dramáticas do capítulo seguinte.

Segundo Reynaldo Tavares, as mudanças culturais de comportamento resultantes da presença do rádio no interior dos lares se deram, principalmente, no que se refere às relações sociais cotidianas. As implicações das mudanças culturais foram significativas entre os povos, na medida em que forjou novos elementos para o comportamento em sociedade, no qual o indivíduo participa muito mais das engrenagens desenvolvidas ou criadas pelos veículos de comunicação, modificando as relações tradicionais, acrescentando outros costumes e formas de convívio social.

O “ouvir” rádio faz parte do lazer moderno, assim como participar dos eventos que ele promove tornou-se mais uma opção de divertimento e entretenimento cotidiano. Os programas de auditório revelaram grandes nomes de cantores, formaram a constelação de astros e estrelas da música popular brasileira e ofereciam novas formas de sociabilidade. A formação de ídolos populares por meio do rádio implicava não só a contratação de cantores para shows em todo o Brasil, como alimentava o desejo de lucro das gravadoras com a venda de discos com os sucessos da época, fortalecendo a nascente indústria fonográfica no Brasil.

Os primeiros programas de calouros e de auditórios ensaiaram-se a partir do final dos anos 1930, através do serviço de alto-falantes. Na década de 1950, o gênero passou a ser promovido também pela RDT. No ano em que foi instalada, em 1948, a RDT localizava-se na Rua Areolino de Abreu, esquina com a Rua Barroso, era um “[...] prédio em estrutura de concreto, construção e estilo muito em voga nos anos quarenta e cinqüenta”3, pertencente à Rosa de Sampaio Melo. Nesse prédio a emissora possuía um auditório pequeno contendo apenas vinte e cinco cadeiras, que, segundo Irlane de Abreu, era “[...] calorento, onde a temperatura devia beirar aos 40 graus” (ABREU, 1996, p. 58). Essa característica física do prédio da RDT era similar à de outras emissoras de rádio brasileiras (TINHORÃO, 1981, p.64), cujas instalações eram péssimas, não comportando um número significativo de pessoas.

Os programas de auditório e de calouros da RDT não só movimentaram a vida artística teresinense dos anos 1950 e 60, como também a do público ouvinte, que passou a ter mais uma opção de lazer, entretenimento e sociabilidade. Para Alcir Lenharo, partilhar de bens simbólicos produzidos pelo rádio significa uma participação ativa de sua vida, seja através de sua programação, seja pelo “consumo” dos ídolos do rádio em formação. Assim, é salutar, na história do rádio, o papel que teve o público ouvinte na condição de fã das novas estrelas. Nessa relação emissor e receptor, o rádio teve papel fundamental para firmar e “[...] realimentar os circuitos das relações mágico-afetivas [...]”(TINHORÃO, 1981, p. 119) entre ambos, que não só servia de indicativo para o nível de popularidade de um artista, como também se transformaria no seu mercado potencial (TINHORÃO, 1981, p. 125-126).




Fotografia 07: Público do programa de auditório da Rádio Difusora de Teresina nos anos 1960, no Teatro 4 de Setembro. Os shows no teatro eram pagos, o que contribuía para uma certa seleção do público.

Fonte: Cadernos de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, ano XIV, n. 34, nov. 2002.


Em termos de comportamento urbano e de mudanças socioculturais, a chegada da RDT nos anos 1950 em Teresina, disponibilizando para os ouvintes uma programação diversificada de entretenimento e lazer, propiciou o surgimento de novos elementos na cidade, tal como a formação de fãs-clubes locais. José Eduardo Pereira, Deoclécio Dantas4 e Dídimo de Castro5 relatam que esse tipo de programa de entretenimento e de participação popular teve um público significativo, sobretudo, porque não eram vendidos ingressos para os programas de auditório da RDT e, por que, embora fosse um tipo de lazer gratuito, despertava grande interesse do público.
Acredito que houve alguma coisa que a emissora influi, que ela era a única emissora. Em termos de rádio, nascia uma espécie de fã clube, de pessoas que admiravam o pessoal que trabalhava na rádio, aquele elenco e tudo, porque de qualquer maneira, isso já seria [...] um comportamento. [...] As “macacas” de auditório [grifo nosso], havia também na emissora aquelas pessoas, aquelas mocinhas, aqueles rapazes que apareciam em todos os programas, queriam participar de todos... todas as disputas e que batiam palmas demais, tinha fãs e tal, queriam retrato, isso era uma característica do Rádio naquela época. (PEREIRA, 1990).

Para o músico Abdoral de Carvalho Amorim, deve-se atribuir ao programa de auditório da RDT a importância de ter quebrado a monotonia da sociedade teresinense, mesmo coexistindo outros lazeres na cidade, como os bailes do Clube dos Diários, as sessões cinematográficas do Rex e as encenações teatrais no 4 de Setembro, por exemplo. Assim:


[O auditório] ficava sempre lotado. A Difusora atuou aqui em Teresina quebrando a monotonia do povo, porque ela trouxe muitas alegrias. A Difusora, ela mexeu com o povo, ela estava em todos os segmentos sociais, então, ela teve a maior aceitação do povo. A Difusora foi quem alegrou Teresina [grifo nosso]. (AMORIM, 1990).
A quebra da monotonia está relacionada ao fato de os programas de auditórios se transformarem num tipo de festa popular que alegrava os domingos teresinenses e piauienses, sobretudo da população como menor poder aquisitivo, que encontrava no espaço da RDT lazer e divertimento, usufruindo, assim, dos bens simbólicos e culturais gerados pelo rádio.

Nelson Werneck Sodré (1979) atribui a dois fatores da cultura popular brasileira a capacidade de mobilizar multidões: o futebol e a música popular. Integrados à programação radiofônica, o futebol e a música deram ao rádio uma força extraordinária, alimentando o universo lúdico dos ouvintes e criando imagens, quer através da voz do locutor esportivo que acompanhava lance a lance a partida e levava as emoções do placar, quer através do desfile musical dos cartazes do rádio pelo microfone.

As coberturas esportivas do futebol piauiense pelo rádio deram uma nova roupagem às partidas de futebol, pois com “[...] uma voz... a imaginação fez o resto [...]” (ORTRIWANO, 2007). O grande lance das transmissões esportivas estava não só em levar ao ouvinte as cenas dos jogadores em campo, mas também, proporcionar reconhecimento aos clubes ou sociedades esportivas que pretendiam sair do amadorismo e alcançar reconhecimento social. Com a chegada dos meios de comunicação no Piauí, o esporte piauiense ganha espaço para divulgação dos clubes. O rádio fez parte do dia-a-dia das pessoas, sobretudo, até os anos 1970, quando se tem a chegada do primeiro canal de televisão do Piauí. Rádio e futebol mexiam com o universo lúdico das pessoas, com o cotidiano, eles deram uma grande parcela de contribuição para a mudança de hábitos, de comportamentos e de sociabilidade.

Sob a responsabilidade de Carlos Said, o setor esportivo da RDT, também teve sua importância no desenvolvimento e afirmação do futebol piauiense. Segundo Pinheiro Filho, até a década de 1930 o futebol não constituía assunto de interesse para a população local e para a imprensa escrita. Com a chegada da RDT, é que os jogos entre os times locais começaram a aparecer e serem apreciados, através das crônicas esportivas. Assim:


Sem levarmos em conta casos isolados, podemos afirmar que, entre nós, já foi a radiodifusão que levou grande área da população a interessar-se por futebol. Os jogos irradiados passaram a constituir assuntos de todos os meios sociais. Contudo, o responsável pela transformação do futebol em assunto sério no Piauí, foi indubitavelmente o radialista e jornalista dr. Carlos Said, o Magro de Aço [grifo do autor] como o chamam seus admiradores. Fez escola, e vários de seus discípulos enchem hoje páginas de jornais com brilho, seriedade e elegância.( PINHEIRO FILHO, 1997, p.71).
Comentarista esportivo e mentor das principais crônicas esportivas do rádio, Carlos Said conhecia a realidade dos times de futebol do Piauí, pois foi jogador do River Atlético Clube na década de 1950, fez parte do Conselho Regional de Desportos em 1954 (CONSELHO... Jornal do Comércio, 1954, p. 5) e, em especial, sabia da importância do rádio para ajudar os clubes de futebol piauienses a conseguirem patrocinadores e a serem legitimados socialmente, quebrando a carga de preconceito com relação ao jogador de futebol e, também, com relação aos comentaristas e narradores de futebol.

O futebol e o rádio interferiram, significativamente, no dia-a-dia do piauiense, assim como, sub-repticiamente, contribuiu para diminuir o grau de preconceito em relação a negros e mulatos, que se tornaram os novos ídolos do futebol brasileiro, através do reconhecimento popular e do prestigio social. É sabido que existe uma discussão na historiografia e nas ciências sociais sobre as origens do futebol brasileiro, bem como discussões acerca do preconceito racial em torno dos jogadores negros e mulatos. Porém, o futebol foi trabalhado neste tópico como uma nova modalidade esportiva, que ganhou espaço na programação radiofônica e, com isso, contribuiu para a construção dos astros do futebol e para a profissionalização dos desportistas, de tal maneira que alguns alcançaram sucesso nacional e internacional.

Nesta perspectiva, a inauguração da RDT, no final dos anos 1940, significou mais que um empreendimento de progresso para a cidade de Teresina, disponibilizando novos fios para que as pessoas tramassem seu cotidiano. O ventríloquo chamava os ouvintes para perto do aparelho receptor, no aconchego do lar, para dali viajarem pelo mundo da fantasia dramatizada das radionovelas, se “sensibilizarem” com o drama da vida real através do Grande Jornal Q-3, e aquecerem seus corações de fãs com a vinda dos astros do rádio nacional e a cada anúncio de um gol. A RDT colocou em cena novas formas de viver, ao promover a estetização do cotidiano, e trazer à baila a contradição do próprio veículo de comunicação no que tange ao espaço público e ao privado, pois, na medida em que seduzia os ouvintes para ficarem em casa ao pé do rádio, atraía homens e mulheres para o exercício de uma nova atividade profissional e, com isso, aproveitavam o espaço do rádio para reclamar a necessidade de melhorias públicas e sociais, sobretudo, num período em que começava a chegar os sinais de progresso com a instalação do cinema e a chegada do rádio, sinônimos de modernidade.
REFERÊNCIAS
ABREU, Irlane. Lembranças de Teresina. In: Cadernos de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, ano X, n. 26, ago. 1996.

AMORIM, Abdoral de Carvalho. Depoimento concedido ao Núcleo de História Oral da Fundação CEPRO. Teresina (PI), 21 de novembro de 1990.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CASTELO BRANCO, Pedro Vilarinho. Imagens tecidas pelo tempo: a mulher na sociedade teresinense (1890-1930). In: EUGÊNIO, João Kennedy. História de vário feitio e circunstâncias (Org.). Teresina: Instituto Bom Barreto, 2001.

CONSELHO Regional de Desportos. Jornal do Comércio. Teresina, ano V, n. 282, 15 ago. 1954, p. 5.

FEATHESTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. [Trad. Júlio Assis Simões]. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. [Trad. Beatriz Sidou]. São Paulo: Centauro, 2006.

MARINHO, Odoaldo da Rocha. O espetáculo da Praça Pedro II. In: Cadernos de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, ano X, n. 22, abr. 1996.

NASCIMENTO, Francisco Alcides do. Olhares sobre a cidade: o lazer em Teresina da Belle Époque aos anos dourados. In: Cadernos de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, ano XII, n. 30, ago. 1999.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: Projeto história: Revista do Programa de Estudos de Pós-graduação em História da PUC-SP. São Paulo, SP, 1981.

ORTRIWANO, Gisela Swetlana. França 1938, III Copa do Mundo. O rádio brasileiro estava lá. Universidade de São Paulo. p. 2. Disponível em: <http://bocc.ubi.pt/pag/ortriwano-gisela-copa1938.pdf>. Acesso em: jan. 2007.

PEREIRA, José Eduardo. Depoimento concedido ao Núcleo de História Oral da Fundação CEPRO. Teresina (PI), 22 de junho de 1990.

PINHEIRO FILHO, Celso. História da imprensa no Piauí. 3 ed. Teresina: Zodíaco, 1997.

QUEIROZ, Teresinha de Jesus Mesquita. Cinema, Invenção do diabo? Cadernos de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, ano VII, n. 15, dez. 1993.

REZENDE, Antônio Paulo. “(Des)encantos modernos”: história da cidade do Recife na década de vinte. Recife: FUNDAPE, 1997.

SANTANA, Raimundo Nonato Monteiro de. Depoimento concedido a Francisco Alcides do Nascimento. Teresina (PI), 23 de dezembro de 1999.

SILVA, Joseman da. Flagrantes da semana. A cidade. Teresina, ano I, n. 30, 1 fev. 1952.

SODRÉ, Nelson Werneck. Síntese de história da cultura brasileira. 7 ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

SOLON, Daniel Vasconcelos. O eco dos alto-falantes: memória das amplificadoras e sociabilidades na Teresina de meados do século XX. Dissertação (Mestrado em História do Brasil), Teresina: UFPI, 2006.

TAVARES, Reynaldo C. História que o rádio não contou: do galena ao digital, desvendando a radiodifusão no Brasil e no mundo. 2 ed. São Paulo: Harbra, 1999.



TINHORÃO, José Ramos. Música popular: do gramofone ao rádio e TV. São Paulo: Ática, 1981.


1 Por espaço, entende-se não apenas uma “[...] dimensão física do urbano, [mas] todo o cenário múltiplo da cidade que toma conta de seus habitantes na construção de seu cotidiano, na sua necessidade de (re)inventar práticas”. (In: REZENDE, Antônio Paulo. “(Des)encantos modernos”: história da cidade do Recife na década de vinte. Recife: FUNDAPE, 1997, p. 14).

2 Sobre amplificadoras em Teresina, ver: SOLON, Daniel Vasconcelos. O eco dos alto-falantes: memória das amplificadoras e sociabilidades na Teresina de meados do século XX. Dissertação (Mestrado em História do Brasil), Teresina: UFPI, 2006.

3 Atualmente funciona a Livraria Moderna. (Cf. BARBOSA, Edson Gayoso Castelo Branco. Therezina – Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, [19--]).

4 Deoclécio Dantas Ferreira, natural de Teresina, nasceu em junho de 1938, começou a trabalhar na Rádio Pioneira de Teresina em 1965 até 1979, no setor de rádio jornalismo. Além do rádio, Dantas foi redator de jornais escritos, entre os quais, o jornal O Dia, de Teresina. Em decorrência da popularidade que adquiriu enquanto trabalhou no rádio, seguiu carreira política.

5 Dídimo de Castro, natural de Esperantina no Piauí, inicia sua carreira no rádio em março de 1962 no Departamento Esportivo da Rádio Difusora de Teresina, ao lado de Carlos Said, Rui Dourado e Dennis Clark. Ainda desempenhou atividades como repórter de linha de campo, apresentador de notícias e narrador de jogos de futebol. Com a inauguração da Rádio Pioneira de Teresina (08 de Setembro de 1962) passa a trabalhar na emissora católica, principalmente no desenvolvimento de programas de cunho educativo, religioso e cultural, por exemplo, o MEB (Movimento de Educação de Base).



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal