Vacinas Esquemas



Baixar 83.41 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho83.41 Kb.

Construtora Norberto Odebrecht S.A.






Vacinas

Esquemas

Profissionais - Por área de Atuação

BCG intradérmico (i.d.) (1)

Com cicatriz vacinal:

1

2

3

4

5

6

Dose de reforço



 



 

 

 

Sem cicatriz vacinal:



 



 

 

 

1ª. dose < 5 a 10 anos > Dose de reforço



 



 

 

 

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) (1)

Dose única



 



 

 

 

Hepatites A, B ou A e B (2,3)

Hepatite A













1ª. dose < 6 a 12 meses > 2ª. dose













Hepatite B



 



 

 

 

1ª. dose < 1 mês >
2ª. dose < 5 meses > 3ª. dose



 



 

 

 

Hepatites A e B













1ª. dose < 1 mês >
2ª. dose < 5 meses > 3ª. dose













Dupla bacteriana do tipo adulto (dT) (4,5,6)

Com vacinação básica completa:













Dose de reforço (depois, dose de reforço de 10 em 10 anos)













Sem vacinação básica completa:













1ª. dose < 2 meses >
2ª. dose < 5 meses > 3ª. dose













Depois, dose de reforço de 10 em 10 anos













ou

 

 

 

 

 

 

 

Tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa) (4,5,6,7)

Com vacinação básica completa:



 



 



 

Dose de reforço (depois, dose de reforço de 10 em 10 anos)



 



 



 

Varicela (1)

1ª. dose < 2 meses > 2ª. dose



 



 



 

Influenza (gripe)

Dose única anual













Antimeningocócica C conjugada

Dose única



 



 



 

Febre amarela (1)

1ª. dose (depois, dose de reforço de 10 em 10 anos, enquanto houver indicação)

 

 



 

 

 

Raiva (obtida em cultura de células diplóides)

Esquema pré-exposição: 3 doses, nos dias 0, 7 e 21 (ou 28)

 

 

 

 

 



Profissionais por área de atuação

  1. Saúde - Médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem; patologistas e técnicos de laboratório de patologia, dentistas, fonoaudiólogos; fisioterapeutas, pessoal de apoio, manutenção e limpeza de ambientes hospitalares, maqueiros, motoristas de ambulância, técnicos de RX e outros profissionais que freqüentam assiduamente serviços de saúde, tais como representantes de laboratórios farmacêuticos.

  2. Alimentos e bebidas - Cozinheiros, garçons, atendentes pessoal de apoio, manutenção e limpeza, entre outros.

  3. Militares, policiais e bombeiros 

  4. Dejetos e águas contaminadas - Mergulhadores, salva-vidas, guardiões de piscinas, manipuladores de lixo e/ou esgotos e/ou águas pluviais, e profissionais da construção civil

  5. Crianças - Professores e outros profissionais com atividade em escolas, creches e orfanatos

  6. Animais - Veterinários e outros profissionais que lidam com animais, assim como freqüentadores habituais e visitantes ocasionais de cavernas.

 




(1) Vacinas contra-indicadas para grávidas e imunocomprometidos. A vacina contra a febre amarela pode ser indicada a gestantes, a critério médico, se o risco de adquirir a doença for muito alto. 

(2) A vacinação combinada contra as hepatites A e B deve ser preferida à vacinação isolada contra a hepatite A ou a hepatite B, exceto quando já existe diagnóstico de uma delas estabelecido por intermédio de teste sorológico. 

(3) A vacinação contra a hepatite B em imunocomprometidos e renais crônicos deve ser feita com quatro doses (no esquema 0, 1, 2 e 6-12 meses), aplicando-se o dobro da dose habitualmente recomendada a adultos imunocompetentes. 

(4) A vacina dupla bacteriana do tipo adulto (dT) e/ou a vacina tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa) estão indicadas, em especial, para tabagistas, pacientes com doença pulmonar crônica (incluindo asma brônquica) e profissionais da área da saúde. 

(5) Em pessoas com dez anos (ou acima de sete anos) ou mais, nunca antes vacinadas ou com história vacinal duvidosa, deve ser feita a vacinação básica com a vacina dupla bacteriana do tipo adulto (dT) e a vacina tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa), administrando-se três doses, a primeira com a dTpa e as duas últimas com a dT (esquema 0, 1 e 6 meses). Uma dose da dTpa é recomendada aos indivíduos que receberam pelo menos três doses de vacinas contra difteria e tétano (dT, DTP ou DTPa) há dez anos (ou há cinco anos, em ferimentos com alto risco de infecção pelo bacilo tetânico). Deve-se indicar uma ou duas doses da dTpa a indivíduos que receberam, respectivamente, duas ou uma dose de vacinas contra difteria e tétano (as mesmas citadas) há menos de dez anos. Nenhuma dose de dTpa deve ser administrada em pessoas que receberam três ou mais doses de dT, DTP ou DTP há menos de cinco ou dez anos. 

(6) Uma dose de vacina tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa) é recomendada, mesmo para indivíduos que receberam recentemente (há dois meses ou mais) a vacina dupla do tipo adulto (dT), com o objetivo de reduzir a freqüência de portadores de Bordetella pertussis na nasofaringe. 

(7) A vacina tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa), como todas as vacinas inativadas não é, a princípio, contra-indicada para gestantes; no entanto, aguardam-se os resultados de estudos em andamento para a liberação do seu uso em grávidas.

 Por que vacinar ?


O organismo humano possui um sistema de defesa conhecido com sistema imunológico. É ele que deve produzir as armas que vão ser usadas para combater a entrada de substâncias estranhas - como por exemplo vírus e bactérias. A vacinas, são obtidas a partir dos agentes infecciosos que se deseja evitar. Elas têm características do agente infeccioso que leva a sistema imunológico a produzir as "armas". No entanto elas não causam a doença. Com a estimulação do organismo para produção das armas, quando o agente infeccioso penetrar em nosso organismo, ele produzira rapidamente as "armas" para destruir o invasor.

 Quais as vias de Administração das Vacinas?


Todas as vacinas são injetáveis, exceto a da paralisia infantil( SABIN ) que é dada por via oral. Existe uma outra vacina contra a paralisia infantil, também injetável, - VACINA SALK - mas hoje usada só em circunstâncias especiais, aqui em nosso País.

As vacinas podem ser utilizadas juntas ?
Uma grande preocupação dos profissionais de saúde é aproveitar da presença da criança na Unidade de Saúde para vaciná-la contra o maior número de doenças. Assim o ideal é que todas as vacinas pudessem ser utilizadas conjuntamente. A grande maioria pode.

Criança com resfriado ou diarréia aguda pode ser vacinada ?
Infecções virais leves não contra-indicam a vacinação. Doenças que comprometem o estado geral, com ou sem febre, indicam necessidade de postergar a vacina.

Crianças com chiado no peito pode ser vacinada ?
Sim. A doenças alérgicas como asma e rinite são muito comuns na infância e não contra-indicam a vacinação. No entanto, se a crise for intensa, somente o médico pode decidir a conveniência ou não da vacina.

O uso de medicações contra-indica a vacinação ?
Dependerá do tipo e duração do medicamento utilizado. Assim, é uma situação que exige avaliação médica

Qual o peso de nascimento a partir do qual a criança pode ser vacinada ?
Atualmente é cada vez maior o número de crianças que nascem com menos de 2.500g. Essas crianças apresentam boa respostas às vacinas básicas e devem ser vacinadas de acordo com a idade cronológica recomendada nos calendários vacinais. Faz exceção a regra a vacina BCG, que deve ser aplicada somente após a criança ter atingido o peso e 2000g

Criança que sofre de convulsão pode ser vacinada ?
Em princípio sim, contudo pode ser necessários cuidados médicos antes da vacinação. Portanto, nesta situação, consulte o Pediatra.

Criança em aleitamento materno pode ser vacinada ?
Sim. A amamentação não possui qualquer contra-indicação a nenhuma das vacinas. Deve-se apenas dar um intervalo de tempo adequado, antes e depois da vacina Sabin, somente com o objetivo de evitar vômitos. O que exigiria novas doses.

Criança desnutrida pode ser vacinada ?
Sim, pode ser e deve ser vacinada cm as vacinas do calendário básico, tendo em vista que a desnutrição predispõe a conseqüências. mais graves caso a criança seja acometida pelas doenças previniveis pela vacinação.
Fonte: http://www.vacine.med.br/menu_vac_empresas.htm

 









©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal