Vamos conhecer a china



Baixar 62.62 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho62.62 Kb.
ENERGIA GEOGRAFIA
Prof. EDIVAN
VAMOS CONHECER A CHINA
A China é uma antiga entidade cultural e geográfica na parte continental do leste da Ásia, incluindo algumas ilhas que desde 1949 foram divididas entre a República Popular da China (que inclui a China Continental, Hong Kong e Macau) e a República da China (que inclui Taiwan e algumas ilhas da Província Fujian).

A palavra China costuma referir-se a regiões que, em termos mais específicos não fazem parte dela, como é o caso da Manchúria, da Mongólia Interior, o Tibete e Xinjiang (ver mapa das divisões da China). Nos meios de comunicação ocidentais, “China” refere-se, normalmente, à “República Popular da China”, enquanto que “Taiwan” se refere à “República da China”.

A palavra portuguesa China, bem como o prefixo associado, Sino-, derivam, provavelmente, de “Qin” (pronúncia "tchim", onde o "q" é pronunciado como um "t" álveo-palatal, como o "ch" na palavra inglesa "chest", e o "in" como o "im" do português "latim"). Há quem defenda, no entanto, que China derive da palavra chinesa para chá (igual à palavra em português que, aliás tem origem etimológica no mandarim) ou, mesmo, de “seda” (note-se, em jeito de nota de rodapé, que é vulgar a associação entre a palavra china e os produtos que têm aí a sua origem: china, em português, também pode significar porcelana) . Qualquer que seja, contudo, a origem da palavra “China” (que é uma palavra europeia, não existindo em qualquer das línguas sino-tibetanas) foi-se perdendo à medida que era filtrada pelos vários povos atravessados pela Rota da Seda, que fazia a primeira ligação histórica estável entre esta região asiática e a Europa.

No início do século XX, o papel desempenhado pelo Imperador da China desapareceu em 1912, com a proclamação da república por Sun Yat-sen, e posteriormente com a China a entrar num período de desagregação devido à Guerra Civil Chinesa. Atualmente há duas regiões que reclamam, formalmente, para si o nome de China: a República Popular da China e o Governo pré-revolucionário da República da China, que administra Taiwan e várias pequenas ilhas de Fujian. Ver também: Cronologia da história Chinesa, Dinastias Chinesas, História de Hong Kong, História de Macau, História de Taiwan.



Política

Depois da unificação sob o Império Qin, a China foi dominada por mais 13 dinastias, muitas das quais comportavam um complexo sistema de reinos, principados, ducados, condados e marquisados. Contudo, o poder era centralizado na figura do Imperador. Este era ainda coadjuvado por ministros civis e militares e, principalmente, por um primeiro ministro. Aconteceu, por vezes, o poder político ser tomado por oficiais, (eunuco)s, ou familiares. As relações políticas com regiões dependentes do império (reinos tributários) eram mantidas à base de casamentos, coligações militares e ofertas. Hoje a china é dominada pelo Partido Comunista Chinês, que realizou a planificação econômica chinesa, liderado por Mao Tsé-tung.



Território

Originalmente, na Dinastia Zhou, a China compreendia a região em torno do Rio Amarelo. Desde então que se expandiu para ocidente e para sul (até à Indochina), tendo atingido proporções máximas durante as dinastias Tang, Yuan e Qing. Do ponto de vista Chinês, o Império Chinês teria, mesmo, incluído partes do Extremo Oriente Russo e da Ásia Central, durante as fases em que a Dinastia Yuan se mostrou no auge do seu poderio, ainda que a China fosse, nesse caso, meramente um dos vários territórios do Império Mongol.

Durante o Império Qing, o valor da Grande Muralha da China na defesa da integridade territorial do império diminuiu devido à sua expansão. Em 1683, Taiwan torna-se parte do Império Qing, originalmente como uma prefeitura da província de Fukien. As principais divisões administrativas da China foram sendo modificadas ao longo do tempo. No topo da hierarquia administrativa, encontramos os circuitos e as províncias (sheng). Abaixo destas divisões foram aparecendo prefeituras, subprefeituras, departamentos, comarcas (xiang), distritos (xian) e áreas metropolitanas. Existe alguma indefinição na tradução para português das divisões administrativas.

Geografia

A China contém uma larga variedade de paisagens, principalmente com planaltos e montanhas a oeste e terras de menor altitude a leste. Como resultado, os rios principais correm de oeste para leste (Chang Jiang, o Huan He (do oriente-central), o Amur (do nordeste), etc), e, por vezes, em direcção ao sul (Rio das Pérolas, Rio Mekong, Brahmaputra, etc). Todos estes rios desaguam no Pacífico.

No leste, ao longo da costa do Mar Amarelo e do Mar da China Oriental, encontramos uma extensa e densamente povoada planície aluvial. A Costa do Mar da China do Sul é mais montanhosa. O relevo da China meridional caracteriza-se por serras e cordilheiras não muito altas.

A oeste, temos outra grande planície aluvial, a norte. No sul ocidental encontramos uma meseta calcárea atravessada por cordilheiras montanhosas de altitude moderada onde, nos Himalaias, se situa o seu ponto mais elevado (Monte Everest). O sudoeste é ainda caracterizado por altos planaltos cercados pela paisagem árida de alguns desertos, como o Takla-Makan e o deserto de Gobi, que está em expansão. Devido à seca prolongada e, provavelmente devido a práticas de uma agricultura empobrecedora dos solos, as tempestades de poeira tornaram-se comuns durante a primavera chinesa. Durante muitas dinastias, a fronteira sudoeste da China foi delineada pelas altas montanhas de vales escavados de Yunnan, que, hoje, separam a China dos estados de Burma, Laos e Vietname.

O clima da china varia muito. A China meridional tem características tropicais. A zona setentrional (onde se situa Beijing), por contraste, caracteriza-se por Invernos de uma severidade Ártica. A zona central (onde se situa Xangai) tem, geralmente, clima temperado.

Grupos Étnicos

Já existiram na China mais de uma centena de grupos étnicos. Em termos numéricos, a etnia dominante é a dos Han. Ao longo da história, muitas etnias foram assimiladas às suas vizinhas ou, simplesmente, desapareceram sem deixar grandes testemunhos da sua existência. Muitas etnias distintas foram diluídas no grupo dos Han, o que explica o peso numérico desta etnia na China. Não obstante, os Han falam várias línguas muito diferentes. (Ver também: Línguas chinesas). O governo da República Popular Chinesa reconhece 56 etnias.



Cultura e Religião

A Filosofia chinesa teve um impacto extremo na cultura do seu povo, tanto a nível erudito quanto a nível popular. As raízes da filosofia (e perspectiva religiosa) chinesa estão no Confucionismo, Taoísmo e Budismo (segundo a ordem cronológica).

No território chinês podemos encontrar diversas tradições religiosas, muitas delas dissemelhantes. A veneração dos antepassados, o islã, e outras religiões populares chinesas ombreiam com outras crenças onde se misturam as correntes filosóficas atrás referidas. O cristianismo (catolicismo e protestantismo), apesar de minoritário, não deixa, por isso, de ser uma religião de referência.

A literatura chinesa tem uma antigüidade insuperável, em relação às outras civilizações. A invenção da impressão, atribuída aos chineses, não será alheia a este facto. Antes desta invenção, os Clássicos chineses e os textos religiosos (principalmente do Confucionismo, Taoísmo e Budismo) eram manuscritos a tinta, com pincéis. Com o fim de comentar e reflectir sobre estas obras, os estudantes reuniam-se em várias academias ou escolas, muitas das quais eram apoiadas pelo império. A casa imperial participava, não raramente nessas discussões filosóficas.

A cultura chinesa tem, tradicionalmente, uma grande reverência para com os filósofos, escritores e poetas clássicos. No entanto, os escritos deixados por muitos dos sábios clássicos são muitas vezes pontuados de descrições irreverentes, críticas e ousadas da vida quotidiana chinesa da sua época. (Ver Lista de escritores chineses e Lista de poetas de língua chinesa).

Os chineses criaram diversos instrumentos musicais, como o zheng, o xiao e o erhu, que se difundiram pelo leste e sudeste asiático. O sheng serviu de origem a muitos instrumentos de palheta livre ocidentais. Os caracteres chineses têm ( e tiveram) diversas variantes e estilos ao longo da história da China, tendo sido convencionada uma forma simplificada, em meados do século XX, na China Continental.

Uma arte milenar, nascida na China, a cultura dos Bonsai foi adoptada, posterioremente por outros países asiáticos, como o Japão e a Coreia.

Geopolítica

O termo Grande China (chinês tradicional:大中華地區, chinês simplificado:大中华地区, Hanyu Pinyin: Dà Zhōnghuá Dìqū) refere-se à junção da China continental com Hong Kong, Macau e Taiwan. O termo é usado principalmente em contextos económicos devido à ambiguidade da palavra China quando se faz referência à China continental, a área de jurisdição da República Popular da China (RPC), ou à junção da RPC com a República da China em Taiwan. É também o objectivo dos nacionalistas chineses criar um estado chinês unificado incluindo estas áreas.

A República Popular da China controla a China continental, Hong Kong e Macau, se bem que os dois últimos territórios sejam governados como regiões administrativas especiais. Hong Kong foi entregue pela Reino Unido em 1997 e Macau foi entregue por Portugal em 1999. Por esse motivo, o problema pendente é a reunificação entre Taiwan e a China continental. A palavra "China" refere-se a ambos os territórios.

A República da China controla Taiwan, Penghu, Quemoy e Matsu e reivindica oficialmente toda a China continental e a Mongólia exterior. A RPC considera a República da China ilegítima e tem ameaçado invadir Taiwan se for declarada a independência da ilha.



Ciência e Tecnologia

Para além das contribuições culturais já mencionadas, devemos ainda referir algumas invenções chinesas na área da tecnologia, como, por exemplo:



  • Bússola

  • Impressão

  • Papel

  • Ábaco oriental

  • Pólvora

  • Estribo

  • Besta (arma)

Outras áreas científicas onde os chineses se distinguiram:

  • A astrologia chinesa e as suas constelações eram usadas com fins divinatórios.

  • Aplicaram conceitos matemáticos na arquitectura e na geografia. O π foi calculado por Zu Chongzhi até ao sétimo dígito no século V.

  • A alquimia é identificada com a química Taoísta, com bases diversas da química actual.

  • Foram levados a cabo estudos de biologia extensivos e muito pormenorizados, que, ainda hoje são procurados e consultados, como as farmacopeias, género de catálogo de plantas medicinais.

  • A medicina tradicional e a cirurgia foram, durante muito tempo, avançadas, havendo ainda hoje, muitos adeptos destas práticas médicas. Um exemplo conhecido é o da acupunctura. As autópsias eram consideradas sacrilégio. No entanto, houve quem violasse tal tabu, o que permitiu um mais vasto conhecimento sobre a anatomia interna humana.

Fonte: Acessado em 31 de agosto de 2006.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal