Vem que eu te conto



Baixar 15.64 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho15.64 Kb.
VEM QUE EU TE CONTO

Lígia Patrícia Torino1

Mairy Josiane Alexandre Boschini2

Ah, como é importante para a formação da criança ouvir muitas, muitas histórias... escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo”

(Abramovich, 1991, p.16)

Quando pensamos em crianças, na idade escolar, algumas imagens logo surgem em nossa mente: alunos ansiosos para aprender a ler e escrever, professores lendo textos, bibliotecários incentivando a leitura, pais contando histórias à noite para eles dormirem... Ler com as crianças, e ler para as crianças, é muito importante culturalmente e afetivamente.

Marisa Lajolo diz que ninguém nasce sabendo ler. Se a chamada leitura de mundo se aprende por aí, na tal escola da vida, a leitura de livros se aprende aqui, na escola. Percebe-se que atribui-se à escola a formação de leitores. E é necessário para essa formação, que essas crianças convivam com livros e leitores!

Nesse aspecto, cabe a professores e bibliotecários despertar esse encantamento, tendo os livros e as bibliotecas da escola como aliados do processo de aprendizagem. Precisa-se de agentes dinamizadores capazes de elaborarem estratégias que estimulem a criatividade, curiosidade e encantamento.

O pensador Vygotsky diz que o que facilita o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da atenção é o processo de interação social, as conversas com os amigos, familiares e educadores. Acredita-se que ao ouvir histórias, o vocabulário da criança se amplia, elas tomam consciência do que sabem, pensam e sentem.

No início da escolaridade, é necessário que a criança entenda para que e porquê o livro é importante, e esta descoberta pode vir da observação de pais e educadores, utilizando livros e mostrando o valor da leitura. A criança precisa compreender que ler vai além da decodificação, e o acesso às bibliotecas e aos livros podem permitir todas as viagens possíveis, e este é o nosso desafio.

Se ler é bom, ouvir então... que maravilha!

Relataremos a experiência realizada no Colégio Marista de Cascavel, através do Núcleo Psicopedagógico I e da Biblioteca onde foi criado o projeto “Vem que eu te conto”, com o objetivo de aproximar as crianças e todos que sentirem o desejo de escutar histórias, do mundo mágico existente nos livros. Portanto, ouvir histórias não se restringe apenas a crianças em fase de alfabetização, nós, adultos, também gostamos de ouvir histórias e contá-las. Quando ouvimos, conseguimos enxergar com os olhos da imaginação, vivendo um momento de prazer e enriquecimento. Para isso Bettelheim (1980, p. 13), diz que a história:

...deve estimular a imaginação: ajudar a criança a desenvolver seu intelecto e a tornar claras suas emoções; estar harmonizada com suas ansiedades e aspirações, reconhecer plenamente suas dificuldades e, ao mesmo tempo, sugerir soluções para os problemas que a perturbam”.

A união do esforço e entusiasmo e principalmente muito gosto pela leitura de duas profissionais do colégio, professora e bibliotecária, fez com que a sala do conto (ambiente da biblioteca estruturado para contar histórias e estimular a leitura) se tornasse realmente um espaço agradável e cheio de surpresas.

Segundo Nóbrega, esse espaço deve ser concebido como:

... um lugar cativante, acolhedor, cheio de vida, que é para mostrar para as crianças – donas primordiais do espaço – que livros podem (e devem) fazer parte do seu universo”. (1986, p.4).

Esse trabalho foi iniciado no ano de 2002, visto que todas as turmas de educação infantil e ensino fundamental I têm semanalmente uma aula na biblioteca. Nesse espaço, professores e bibliotecários atuam como mediadores da leitura e informação. Concebe-se a biblioteca como Centro de Recursos de Aprendizagem, pois, a leitura é informação e informação gera conhecimento e aprendizagem.

Para dinamizar o ato de contar histórias, criou-se um ritual: uma caixa ilustrada com temas relacionados à leitura, vestimentas coloridas e recursos sonoros são utilizados pelas “contadoras de histórias”, que vão até as salas de aula, caracterizadas, apitando e batendo um sininho suavemente nas janelas das salas, sendo a marca registrada do projeto. Elas entram dizendo: ...Lá vem história.... “Vem, vem... que eu te conto”. Então as crianças são conduzidas à sala do conto onde começa a viagem pelo mundo mágico da imaginação.

Livros, fantoches, lenços, tecidos, objetos de decoração entre outros vão saindo da caixa... aí, as palavras são o principal atrativo. Palavras, mais palavras, gestos e emoções contagiam os ouvintes, que logo transformam-se em integrantes da narrativa.

Contar/narrar histórias é como verbalizar imagens, é criar com as palavras imagens significativas para o ouvinte.

Para Faye (1971, p.13), “narrar é agir socialmente”. E isto se confirma na tradição dos contos e causos populares, passados de geração em geração, em todas as camadas sociais, fato que permitiu a organização de toda a nossa história até a invenção da escrita.

Fatores como título e autoria são sempre enfatizados, pois o trabalho é realizado na biblioteca, proporcionando um maior contato com o acervo infantil, o que estimula a curiosidade da criança, para ler o livro.

Salienta-se que as histórias são selecionadas de acordo com o interesse e entendimento da criança, pois atendemos desde o maternal até a 4ª série, sempre buscando respeitar o texto original e autoria.

Enfim, acredita-se com este trabalho, que a literatura infantil pode ser um excelente instrumento pedagógico, tanto para crianças em fase de alfabetização, quanto para as já alfabetizadas. Pois a reação que temos observado é de pura fascinação, visto a interação com os contos e os personagens. Muitos sentem-se motivados também a contar para os amigos e para os pais.

Quem sabe, já estamos lançando a sementinha e criando aí agentes multiplicadores de leitura, magia, imaginação e muito encantamento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo : Scipione, 1991.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo : Paz e Terra, 1980.

FAYE, Jean-Pierre. A razão narrativa. São Paulo : 34, 1996.

LAJOLO, Marisa. Apostando na leitura. Folha de São Paulo : Caderno Campinas).

REGO, Lúcia Lins Browne. Literatura infantil: uma nova perspectiva da alfabetização na pré-escola. São Paulo : FTD, 1995.



VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo : Martins Fontes, 2000, 216 p.

1 Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Estadual de Londrina, ênfase em Informação e Sociedade – Bibliotecária do Colégio Marista de Cascavel

2 Licenciada pela APEC Presidente Prudente, especialista em Didática do Ensino – Professora de Educação Infantil do Colégio Marista de Cascavel.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal