Visão ecológica das comunidades virtuais Sanmya Feitosa Tajra



Baixar 14.96 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho14.96 Kb.
Visão ecológica das comunidades virtuais

Sanmya Feitosa Tajra
Quando pensamos na era digital, provavelmente, só lembramos de bits e bytes, de redes de computadores, de fibras óticas, de agilidade, rapidez, comércio eletrônico. As comunidades virtuais, bem como outras comunidades possuem um raio de atuação além de sua aparente fronteira. As relações das pessoas que atuam em qualquer comunidade formam redes de relacionamentos, de ações que interferem seu meio, elas não estão isoladas do seu contexto, da cultura. Nas comunidades existem constantes circulações de informações, representações mentais das pessoas e dos objetos (Capra, 1996) que formam a teia de toda a vida. Existe integração entre as partes físicas, lógicas, orgânicas e espirituais de uma comunidade.
Nas comunidades, sejam presenciais ou virtuais, podem ocorrer processos constantes de linguagem e comunicação. Para esta análise, Capra – 1996, diferencia a linguagem da comunicação, considerando a comunicação o processo de interações mútuas recorrentes. A comunicação é a resposta a partir de um estímulo. A linguagem como sendo uma conseqüência de um processo de comunicação, ela vai além da relação estímulo-resposta. A linguagem exige dos agentes variações no processo de comunicação. Podemos utilizar a comunicação para a troca rotineira de informações. A linguagem permite a prolongação do processo de comunicação, ela se estende além das interferências ocorridas, visto que as representações abstratas e simbólicas estão, relativamente, padronizadas, garantindo a comunicação a longo prazo. Comunicações bem sucedidas a partir de uma ampliação do uso da linguagem, pode permitir a criação e manutenção de comunidades cooperativas. Mas o que fazer, o que considerar para que possamos ter comunidades sustentáveis? Como transformar as comunidades virtuais em comunidades virtuais ecológicas? Quais são os princípios que norteam a sustentabilidade das comunidades virtuais? Será que podemos aproximar os princípios das comunidades sustentáveis, ecossistêmicas, às comunidades virtuais?
Capra – 1996, define como comunidades sustentáveis todas aquelas que garantem a satisfação das nossas aspirações e necessidades sem diminuir as chances das gerações futuras. As comunidades virtuais podem ser ecossistêmicas, ser sustentáveis? Este autor define seis princípios básicos para as comunidades ecossistêmicas, que são: interdependência, natureza cíclica, cooperação, parceria, flexibilidade e diversidade. Como estes princípios podem ser validados nas comunidades virtuais?
Princípios ecossistêmicos nas comunidades virtuais
Considerando que toda comunidade é composta por pessoas com os mesmos objetivos, podemos relacionar os princípios das comunidades ecossistêmicas da seguinte forma:
Interdependência
Todos os membros de uma comunidade ecológica estão interligados numa vasta e intricada rede de relações, a teia da vida – Capra-1996. A formação de uma comunidade pressupõe a necessidade de composição entre os membros envolvidos, a partir de suas colaborações é que se formam as relações, as teias entre seus membros. As atividades coletivas estimulam o sucesso de todos, não existem grandes impactos de ações isoladas, sem interações. Um membro não está sozinho nas suas ações, ele está relacionado com seu meio, seu contexto e, conseqüentemente, possui uma relação de interdependência com todos os componentes da comunidade.
Nas comunidades virtuais, esta relação de interdependência também existe. As trocas, o aprendizado e as experiências vividas pelos seus membros dependem das ações de todos, e quanto maior for a participação de todos, maior é a integração e a interdependência entre as partes.
As comunidades virtuais, também, são sistemas abertos, possuem entrada de informações, emoções e dados que norteam seu funcionamento. As ações de seus membros são os elementos básicos para por em prática e em funcionamento os objetivos para as quais estas comunidades foram criadas. Os efeitos produzidos pelas relações entre os membros, raramente, são lineares, não afetam apenas a um único membro, elas atingem toda a teia da comunidade. O sucesso da comunidade depende do sucesso de cada um de seus membros, enquanto que o sucesso de cada membro depende do sucesso da comunidade como um todo Capra-1996.
Natureza cíclica
Para dar sustentabilidade às comunidades, estas precisam ser encaradas como cíclicas. Elas não agridem as cadeias posteriores, ela está sempre se retroalimentando, reinventando a si mesma, se aproximando das novas tendências que garantam a sua continuidade e de outras comunidades.
As comunidades virtuais podem ser caracterizadas com sua natureza cíclica, com seus processos além das infovias. As comunidades virtuais não se limitam aos bits e bytes, elas são mais uma forma de promover a integração, colaboração e cooperação entre os seres humanos seja em qual for o lugar e o momento. Sendo assim, as comunidades virtuais estão integradas aos meios, possuem responsabilidades sociais, ecológicas, históricas e econômicas. Elas participam das ações das sociedades presenciais, elas são comunidades reais que se estendem nos ambientes virtuais, elas são interdependentes com os componentes demais componentes da sociedade. As comunidades virtuais podem ajudar na garantia da manutenção dos insumos da natureza.
Cooperação e parceira
Num ecossistema, os intercâmbios cíclicos de energia e de recursos são sustentados por uma cooperação generalizada, Capra –1996. A participação em parceira dos membros de uma comunidade promove um maior envolvimento e comprometimento de todos. A ajuda mútua dos membros de uma comunidade, favorece o crescimento de forma coletiva, ampliando as possibilidades de alcançar o sucesso dos objetivos pré-estabelecidos pelos membros da comunidade.
Os estímulos nas comunidades ecossistêmicas estão nas relações de parceria e cooperação visando a conservação de todos. Nas comunidades virtuais, podemos perceber esta relação a partir das mensagens trocadas nas listas de discussão, salas de chat e até mesmo em publicações de trabalhos de conscientização, de alerta e de informativos, visando desenvolver o espírito de co-participação, de eco-evolução da comunidade em sua totalidade.
A partir de ações de parceria, a comunidade cria suas relações de interdependência, garante sua natureza cíclica e estimula a cooperação, o fazer junto, de forma coletiva, com a participação de todos, ou pelo menos, de muitos participantes de forma que assegura a qualidade para a qual estão propostos.
Flexibilidade
A flexibilidade está muito próxima à possibilidade de se atingir estados contínuos de equilíbrio. Os pontos de equilíbrios estão sempre sendo alterados, eles mudam conforme as circunstâncias, os fatos e as novas percepções e sentimentos que vão constituindo os membros de uma comunidade.
A flexibilidade é vista como a onda que vai e volta, mas volta sempre para uma nova posição. A nova onda fica situada conforme os equilíbrios que vão sendo reconstruídos. Daí a grande necessidade de termos como princípio a cooperação e a parceria. Estas unem os esforços de todos visando garantir a sustentabilidade do ecossistema virtual. Forças em todos os sentidos surgem contra e a favor das ações cooperativas das comunidades virtuais, seja através das simples e básicas dificuldades encontradas nas instalações físicas necessárias para o funcionamento do computador e acesso à Internet, seja a partir da concepção ideológica da importância dos trabalhos digitais em meios onde a fome, a segurança ainda estão tão presentes. Nessas circunstâncias, competem aos membros de uma comunidade virtual, atitudes flexíveis para se adaptarem ao meio.
Diversidade
A hegemonia manipula interesses restritos. A heterogeneidade favorece a criatividade, a inovação e a criação de situações não vividas, entretanto, gera inúmeros conflitos que podem ser positivos se forem bem conduzidos. A diversidade possui uma relação direta com a flexibilidade, a diversidade gera conflitos. A diversidade amplia a elasticidade das comunidades virtuais, permitem ondas maiores, tornando suas experiências mais ricas e mais construtivas para seus membros.
Viver a concepção de uma comunidade virtual ecológica significa estar alfabetizado ecologicamente. É necessário perceber o além de nossas atitudes, perceber nossas relações com nossos parceiros, estar aberto para atuar cooperativamente, de brilhar em conjunto, de aprender a viver com toda a diversidade que nos cerca, favorecendo às novas oportunidades de estágios de equilíbrio para não nos deixar morrer, ou se morrermos, perpetuarmos em outras comunidades, fortalecendo, assim, a teia da vida.

BIBLIOGRAFIA
CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida. Editora Cultrix. SP. 1996


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal