Vivência de estar presente aqui e agora: uma ilustração budista



Baixar 6.62 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho6.62 Kb.
Vivência de estar presente aqui e agora: uma ilustração budista

Niuvenius Junqueira Paoli

O estar presente aqui e agora pode ser ilustrado com uma pequena história1, que faz parte da tradição budista.
A história é a seguinte:

“Buda segurava uma flor diante de 1250 monges.

Por muito tempo não disse nada.

De repente sorriu.

Estava retribuindo o sorriso de alguém na platéia – alguém que sorriu para ele e para a flor.

Apenas uma pessoa sorriu, e Buda, ao sorrir de volta, disse:

Eu tenho um tesouro de percepção e o transmiti para Marakashiapa” [Marakashiapa era o nome do monge que sorriu]
Essa história tem sido comentada por gerações e gerações de budistas, em busca de seu significado ou de suas possíveis interpretações, ou mesmo ensinamentos. Assim, é possível explorar essas imagens de diversas formas, como, por exemplo, da forma que se segue.
Quando alguém pega uma flor e lhe mostra, é porque quer que você a veja. Mas se você se volta somente para os seus pensamentos, perde a flor. A pessoa que está atenta para o momento presente, consegue encontrar a flor em profundidade. Ser a flor, e também a pessoa que lhe mostra a flor.
Você pode se colocar em estado de entrega ao momento e sentir o êxtase do viver, simplesmente deixando fluir o que sua percepção lhe proporciona. Isto pode ser considerado uma forma de meditação, uma prática de concentração, que proporciona uma sensação de vida, que dá paz e alegria.

O encontro com o momento presente abre o caminho para fazer aflorar as nossas essências de afeto, de criatividade, de energia, de sensualidade, de transcendência, de alegria, de felicidade, de confiança na vida.


Ao entrarmos em contato com o ambiente e as pessoas ao nosso redor, o simples fato de sentirmos que temos olhos, ouvidos, narinas, papilas gustativas, tato pode nos deixar felizes. O fato de que somos dotados de sensibilidade em pleno funcionamento e usamos os nossos sentidos, pode nos comover.
Quando nos sentimos como seres capazes de perceber, estamos aumentando a probabilidade de interagir com o ambiente e com as pessoas de forma criativa, integrada, significativa, intensa e harmônica.

1 Conheci esta história através da revista Planeta, não me lembro mais o numero, ano, data.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal