Êxodo = saída. Reflete sobre a saída do povo hebreu do Egito sob a liderança de Moisés, Arão e Miriam. Levítico



Baixar 23.61 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho23.61 Kb.
Antigo Testamento
O Antigo Testamento contém 46 livros. Eles narram a história do Povo da Bíblia e foram escritos antes de Cristo (a.C.). Correspondem à primeira etapa, ou seja, Primeira Aliança.

O Pentateuco


Os primeiros cinco livros da Bíblia são chamados de Pentateuco. É uma palavra da língua grega que significa conco livros. Eles contêm a Lei da Primeira Aliança.

Gênesis = origens. O povo faz suas reflexões sobre perguntas existenciais, como: Quem somos? Por que estamos neste mundo? Porque existe maldade? Onde está Deus? E reflete também sobre as origens de sua história como Povo de Deus a partir da consciência que eles têm do Deus que é fiel e caminha com eles.

Êxodo = saída. Reflete sobre a saída do povo hebreu do Egito sob a liderança de Moisés, Arão e Miriam.

Levítico = levita. Traz reflexões e leis referentes ao culto, aos servidores do culto, os levitas e as obrigações dos sacerdotes do Povo da Bíblia.

Números = lista. Este livro começa contando o número dos habitantes de Israel. Faz um recenseamento.

Deuteronômio = segunda lei. Traz as reflexões sobre a releitura da lei e sua nova proclamação. Convida a uma vida de conversão e penitência.


Livros Históricos


São 16 os livros históricos e narram a história da formação do Povo da Bíblia com a vida, nome, lutas e a fé de seus heróis e do próprio povo.

Livros Sapienciais


São 7 os livros sapienciais ou de sabedoria. Nestes livros encontramos reflexões e expressões de sabedoria, poesias, cantos, orações, hinos, provérbios nos quais o povo registra seus sentimentos e expressa sua sabedoria tirada da experiência de vida.

Livros Proféticos


São os livros que trazem a mensagem, a ação e alguns dados sobre a vida dos profetas. São 18, quando se contam separadamente os livros de Lamentações e Baruc que, às vezes, estão incluídos no livro de Jeremias.


Novo Testamento

São 27 livros que também nascem nas comunidades.

Os apóstolos e discípulos não tinham gravador, filmadora, etc. para gravar as palavras e os gestos de Jesus. E ele não deixou nada escrito. Os Apóstolos foram transmitindo através da palavra, cartas e bilhetes o que Jesus fez e ensinou. E davam conselhos de como continuar a missão. Mais tarde as comunidades começaram aqui e acolá a escrever esta pregação que começou a se chamar de Evangelho. Não podemos nos esquecer que Paulo foi o primeiro a escrever.

Os Evangelhos


São 4 os Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João. Evangelho é uma palavra da língua grega e significa BOA NOVA, BOA NOTÍCIA. Os Evangelhos, portanto, trazem aquilo que as diferentes comunidades guardaram e refletiram sobre Jesus, sua pessoa, seus ensinamentos e suas atitudes. Assim, temos quatro narrativas diferentes.

Mateus, Marcos e Lucas são também chamados de evangelhos sinóticos porque colocados em colunas paralelas e pode perceber muita semelhança entre eles (ver Mc 3, 1-4; Mt 12, 9-14; Lc 14, 1-6). Já o estilo do evangelho de João é diferente.



Atos dos Apóstolos


Narra sobretudo a reflexão de Lucas sobre os atos dos Apóstolos, mas especialmente de Pedro e de Paulo. Descreve, também, um pouco da organização e das dificuldades de algumas das primeiras comunidades cristãs e reflete sobre isso com o olhar de Deus. É assim que nos Atos está presente a ação do Espírito Santo. Ele á a força e a alegria profunda dos Apóstolos e das comunidades.

Cartas


Cartas de Paulo

Hoje os estudiosos atribuem apenas 7 cartas a Paulo: Romanos 1 e 2, Coríntios, Gálatas, Filipenses, I Tessalonicenses e Filemon. As cartas aos Efésios, Colossenses e a II Tessalonicenses pertencem a discípulos de Paulo. Nestas cartas encontramos um pouco da vida do Apóstolo, sua pregação, seu trabalho, sua missão, problemas e orientações na organização das comunidades. As cartas de Paulo são mais antigas que os Evangelhos. Paulo morreu entre os anos 64 – 68 d.C. , antes que fosse escrito o primeiro Evangelho, o de Marcos.



Cartas Pastorais


As cartas chamadas Pastorais por se dirigirem aos líderes, ou seja, “pastores” das comunidades, são primeira e Segunda a Timóteo e a carta a Tito.

Cartas Católicas


As cartas chamadas Católicas porque não se dirigem nem a uma comunidade e nem a um líder, mas a todas as igrejas cristãs (católico significa universal). São a carta de Tiago, de Judas, as duas cartas de Pedro, e as três cartas de João.

Carta aos Hebreus


A “carta” aos Hebreus é de autor desconhecido. Esta carta faz uma reflexão teológica sobre Jesus Cristo, o grande sacerdote, mediador entre Deus e o povo. Tem o estilo de uma pregação e não de uma carta.

O Apocalipse


É um livro que reflete sobre a presença de Jesus na história e na vida das comunidades em tempo de perseguição. Jesus é o Senhor, o Dono da história. A palavra apocalipse é da língua grega e significa tirar o véu, revelação. É a revelação de Jesus e das comunidades que esperam na vitória de Deus. O Apocalipse é o último livro da Bíblia.

Curiosidades


A Bíblia de edição protestante é diferente das Bíblias de edições católicas?

R.: O Novo Testamento é igual para todos.

O Antigo Testamento na Bíblia de edição católica tem sete livros a mais. Estes livros são: Tobias, Judite, 1o Macabeus, 2o Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruque, que são da tradução grega.


Antes de surgir a imprensa, como a Bíblia se apresentava?

R.: De diversas formas. Em pedaços de papel vegetal, em rolos de pergaminho (couro de animal), em papiro (espécie de papel vegetal) e em “folhas”.
Quem traduziu pela primeira vez toda a Bíblia e quando ela foi impressa assim como a temos hoje?

R.: A primeira tradução, e a mais famosa da Bíblia para o latim, é a de S. Jerônimo, conhecida como Vulgata (do latim = a divulgada). Isto aconteceu por volta do ano 400 d.C., a pedido do Papa Dâmaso. Na verdade, a primeira tradução da Bíblia foi a tradução da Bíblia hebraica (dos Judeus) para o grego, conhecida como tradução dos LXX (70), muito usada na época de Jesus e das comunidades.
A Bíblia já foi escrita com capítulos numerados, como temos hoje?

R.: Não. Nenhum livro da Bíblia foi escrito com capítulos numerados. Quem teve a idéia de dividir a Bíblia em capítulos foi Estevan Langton, arcebispo de Cantuária, professor na Universidade de Paris, em 1214 d.C.
Quem fez a divisão em versículos?

R.: Em 1551 Robert Etiene, redator e editor em Paris, fez a experiência dividindo o NT de língua grega em versículos. Teodoro de Beza gostou da idéia e em 1565 dividiu toda a Bíblia em versículos.
Porque eles dividiram assim os livros da Bíblia?

R.: Eles fizeram isto por dois motivos: facilitar as citações dos textos bíblicos e encontrar rapidamente os textos citados.

Textos retirados do livro Beabá da Bíblia, de Rosana Pulga, edições Paulinas.


Uma Biblioteca Diferente




A palavra Bíblia vem da língua grega e indica o conjunto de muitos livros. De fato, a Bíblia é uma biblioteca de 73 livros de épocas, autores e estilos diferentes (veja o desenho e repare as diferentes estantes).

O Antigo Testamento ou AT, têm 46 livros e o Novo Testamento ou NT têm 27 livros, num total de 73.

O Povo Aumenta mas não Inventa

A Bíblia, antes de ser escrita foi vivida, e depois foi contada pelos pais e mães aos filhos. De geração em geração. Este período, que durou aproximadamente 900 anos, chama-se Tradição Oral.



A Bíblia começou a ser escrita durante o reinado de Salomão, por volta do ano 950 a.C. Hoje, por respeito à cultura judaica, alguns já preferem chamar o Antigo Testamento de Primeiro Testamento. O Antigo Testamento ficou pronto por volta do ano 50 a.C., e o Novo Testamento no final do século I. Portanto, a Tradição Escrita durou aproximadamente 900 anos. Como mãe que gesta seu filho na intimidade oculta e no entanto lhe fala... Assim Deus agiu com seu povo.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal