Xxiv encontro Anual da anpocs o lugar da "natureza" na teoria sociológica contemporânea



Baixar 48.2 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho48.2 Kb.

XXIV Encontro Anual da ANPOCS



O LUGAR DA "NATUREZA" NA TEORIA SOCIOLÓGICA CONTEMPORÂNEA

Luciano F. Florit


FURB - UFRGS

GT 14 - Processos e Movimentos Sociais no Campo -

Sessão Meio Ambiente e Ciências Sociais

Petropolis, de 23 a 27 de outubro de 2000


XXIV Encontro Anual da Anpocs

GT Processos e Movimentos Sociais no Campo


O LUGAR DA "NATUREZA" NA TEORIA SOCIOLÓGICA CONTEMPORÂNEA

Luciano F. Florit*



Introdução

O trabalho a seguir, faz uma apresentação sumaria de um dos eixos no qual se desenvolve a atual reflexão teórica no campo da Sociologia Ambiental ou Sociologia do Meio Ambiente: o da discussão entre o realismo ambiental e o social construtivismo. Esta apresentação, visa também estabelecer alguns pontos de contato com a reflexão teórica de caráter mais geral que vêm acontecendo na Sociologia como um todo no intuito de superar o clássico dualismo sociológico da estrutura e da ação, ou como também têm se chamado, o dualismo do objetivismo e do subjetivismo. Mesmo sem pretensão alguma de esgotar a vastidão dos assuntos imbricados com estes temas, a reflexão a seguir inevitavelmente nos leva a fazer algumas considerações respeito do caráter da contribuição social que legitimamente pode-se esperar do conhecimento sociológico, polemizando com as expectativas mais instrumentalistas e valorizando o tipo de contribuição "difusa" que nos debates contemporâneos tem se associado à "reflexividade".


A incorporação da natureza no campo sociológico

Não têm sido fácil para as ciências sociais, incorporar às suas reflexões as implicâncias que os fatores naturais têm na dinâmica social. Esta dificuldade encontra-se atrelada à conturbada e ambivalente relação que historicamente tem se estabelecido entre as ciências sociais e a biologia e outras disciplinas que dizem respeito ao ambiente natural. Se por um lado a sociologia clássica nasceu com a marca das “ciências” cujos métodos e grandes modelos eram os das ciências naturais, por outro, sua afirmação disciplinar como ciência que pretendia explicar a vida social humana deu-se através da reação contra todo tipo de reducionismo biológico (Buttel, 1992).

Com efeito, levar o ideal científico ao âmbito do propriamente humano implicou, de modo geral, a taxativa afirmação de que os processos que envolvem seres humanos são históricos e não-naturais. “Os fenômenos sociais não são naturais”, é o axioma fundador do mainstream do pensamento sociológico sistemático. Desta forma, a afirmação disciplinar das ciências sociais foi-se dando ao mesmo tempo em que se extirpavam as variáveis biológicas das suas explicações. O resultado é a delimitação da Sociedade e da Natureza como componentes epistemológicos antagônicos.

A emergência da Sociologia do Meio Ambiente (SMA) como campo disciplinar diferenciado é, principalmente no caso da experiência americana, uma resposta à ampliação da atenção social que os problemas ambientais começaram a receber no início da década dos '70 (Dunlap, 1997).

Este campo surgiu a partir da crítica à exclusão da natureza nas Ciências Sociais e a conseqüente subestimação do mundo biofísico como dimensão condicionante da vida social humana. Os trabalhos emblemáticos que configuraram esta posição foram os dos sociólogos americanos Riley E. Dunlap e William R. Catton, Jr., elaborados a partir da convicção da utilidade para a análise sociológica de certos conceitos referentes às limitações de caráter biofísico a que estão sujeitos os processos sociais, como capacidade de carga de um ecossistema ou finitude dos recursos naturais. Como Catton escrevera num artigo publicado em 1972,

"a pressão proveniente dos limites físicos e biológicos (ecológicos) está fazendo tornar obsoleto o suposto sociológico de que a realidade é fundamentalmente socialmente construída" (Catton, 1972: 4371).

Para superar o suposto considerado reducionista da perspectiva dominante nas Sociologia, Catton argumenta que a mesma precisa desenvolver um "novo paradigma" a partir do qual seja possível perceber aos seres humanos "não somente como uma criatura da cultura, mas também como um mamífero em desenvolvimento que faz parte de um ecossistema em transformação" (Catton, 1972: 438). O desenvolvimento deste novo paradigma amadureceria depois a partir do trabalho conjunto com Dunlap.

Um dos resultados desta crítica mais influentes no campo emergente da Sociologia Ambiental tem sido a distinção NEP/HEP. Nesta distinção, a perspectiva NEP (New Environmental Paradigm) é a que enfatiza na dependência das sociedades humanas aos ecossistemas, considerando a dimensão biofísica como variável independente nas suas explicações. Segundo os formuladores desta perspectiva (Catton e Dunlap, 1978), o HEP (Human Exepcionalist Paradigm) manteria a premissa clássica da sociologia de que a análise das sociedades humanas, diferentemente das do resto dos seres vivos, pode ser feita sem especial consideração dos fatores biofísicos pelo fato não ser esta a dimensão determinante de suas ações.

Sobre esta base, surge uma SMA de tipo "realista" baseada no axioma de que a natureza, conceitualizada através de variáveis biofísicas objetivas, é um limite que determina a existência social. Assim, partindo da distinção NEP/HEP, esta perspectiva, propositadamente procurou se afirmar fora do mainstream do pensamento sociológico, procurando uma definição do campo da SMA como o estudo das interações sócio-ambientais, enfatizando não somente que o seres humanos têm impacto no ambiente físico, mas principalmente, que as condições ambientais também afetam às sociedades humanas. Assim a caracterização como "HEP" do pensamento sociológico dominante tentava mostrar a exagerada ênfase dada aos aspectos "excepcionais" do Homo Sapiens, como a cultura, a ciência e a tecnologia. Por outro lado, eles argumentam que nos novos trabalhos que procuram uma analise sociológica dos problemas ambientais esta implícito um novo paradigma ou "NEP" por enfatizar que em ultima instância as sociedades humanas, independente das peculiaridades que as distingam das do resto dos seres vivos, são dependentes de ecossistemas (Freudenburg, W. e Gramling, R, 1989) 2.

Mas havia, também, um outro propósito implícito nesta forma de delimitar o campo da SMA: outorgar ao campo um status de disciplina aplicada, capaz de subsidiar intervenções concretas, e enfatizar a necessidade de atitudes pro-ativas por parte dos analistas sociais da crise ambiental.

Assim, marcou-se a diferença entre o novo enfoque e os estudos vinculados à problemática ambiental que se apoiavam na perspectiva sociológica tradicional, como os estudos sobre o "movimento ambiental". Esta distinção entre o núcleo central ("the core") da sociologia ambiental, preocupado com as interações entre ambiente e sociedade, e as pesquisas que aplicavam as teorias sociológicas tradicionais, permitiria, ao incorporar o reconhecimento da finitude da base de recursos que dá sustentação material à sociedade, assumir um forte compromisso em procurar respostas práticas à crise da relação entre ambiente e sociedade.
A construção social da natureza

A partir dos anos 90 percebe-se o aparecimento de uma série de desenvolvimentos sociológicos que, sem poder ser considerados como parte da SMA realista mencionada acima, incorporam os problemas da relação Sociedade/Natureza, como cruciais para uma atualizada caracterização sociológica do mundo contemporâneo. Estes desenvolvimentos, realizados a partir dos mais diversos marcos teórico-metodológicos, foram em boa medida subsidiados e encorajados pelos trabalhos de autores importantes da sociologia mundial, como Giddens e Beck (Catton, 1997; Irwin, 1997; Buttel, 1996; Hanningan, 1995).

De modo geral, muitos destes desenvolvimentos não enfatizam na incorporação das variáveis biofísicas nos modelos de análise, mas, pelo contrário, centram-se em questões como a análise das ações sociais com implicâncias ambientais, a construção de conhecimento ambiental, ou a caracterização do mundo atual dando devida conta ao papel dos riscos ambientais nesta caracterização.

Estas novas abordagens, diferentemente daquelas surgidas nos anos '70, não partem de se distanciar das discussões centrais do campo da sociologia, mas pelo contrário, surgem associados à reflexão crítica da tradição sociológica e suas discussões teóricas principais, incorporando nelas esta nova dimensão.

Isto quer dizer que boa parte da sociologia que nos anos 90 começa a considerar o problema ambiental, no o faz a partir da negação da sua tradição sociológica, mas a partir de uma atualização de sua tradição a partir de sua crítica.

Essencialmente, estas perspectivas deixam de considerar a natureza, e os condicionamentos que ela impõe, como algo "externo" à vida social, para passar a entende-la como uma entidade socializada, na medida em que não existe já no mundo contemporâneo alguma coisa que possa ser considerada como livre das influências da sociedade humana.

Esta consideração, leva a uma reavaliação do caráter do conhecimento científico e as suas implicações como subsídio para o controle dos problemas ambientais. Quando os riscos ainda podiam ser tidos como produtos de fatores externos, quer dizer, não produzidos por ações humanas, a ciência ainda podia continuar oferecendo uma sensação de segurança. Mas a situação atual tem conotações muito diferentes pelo fato de a ciência, a tecnologia e a industria estarem nas próprias origens dos riscos. Vivemos numa época onde os “efeitos secundários” das inovações técnicas já não são efeitos secundários (Giddens, 1996: 216-220).

Então o que é “natureza”? O que é “natural”? De maneira alguma esta é hoje uma pergunta obvia, se é que alguma vez o foi. Atualmente as conseqüências da intervenção humana na natureza são de caráter global, mesmo que em grande parte desconhecidas. Inclusive as áreas protegidas de “natureza intocada” são construções humanas, delimitadas e governadas por humanos, com tudo o que isso implica.

Com efeito, quase todos os contextos de ação ou modos de vida com que temos que nos deparar são sistemas ecossociais, sendo que de fato na maioria dos ambientes, não poderíamos desenredar o natural do social. Por isto, todos os debates atuais sobre a relação com a natureza tratam da natureza gestionada.

Há, segundo o autor, uma “dissolução da natureza”, entendendo esta como qualquer objeto ou processo obtido sem intervenção humana No entanto isto não significa que a natureza tenha passado a estar totalmente sob domínio humano. O intento de estender esse domínio até o infinito é um intento fracassado. Prova disto é que muitas ações sobre a natureza têm inúmeras conseqüências ambientais indesejadas. Assim, no contexto da modernização reflexiva a socialização da natureza esta intrinsecamente conectada à reprodução da incerteza artificial (ibid.:214-218).

A criação desse mundo de incerteza artificial é o resultado do desenvolvimento da ordem industrial ao longo prazo. Porém, durante o tempo em que ainda predominava a modernização “simples”, este processo ocultou suas características. Durante a modernização simples, a evolução capitalista e industrial pareceu um processo previsível. Mas, na modernização reflexiva, já não se sustenta que as incertezas diminuirão com a incorporação de novos conhecimentos, de forma tal que os problemas que colocam tais riscos não são técnicos, mas irredutivelmente políticos e morais (ibid.: 86).

Assim, de acordo com este tipo de entendimento da dinâmica social dos problemas ambientais, as abordagens construtivistas têm considerado estes problemas como o produto de uma construção social, envolvendo os processos sociais de sua definição, negociação e legitimação (Hanningan, 1995; Lowe et al., 1993). Nesta linha, reconhecem-se duas vertentes chaves: Por um lado, a conceituação do processo de “fabricação” de demandas ambientais (environmental claims-making), que aproveita os aportes na construção social da realidade da sociologia do conhecimento (ex. Berger e Luckmann) e do interacionismo simbólico (ex. Blumer). Por sua vez, o processo pelo qual certas demandas conseguem legitimidade enquanto outras são rejeitadas segundo relações de poder, que incorpora a tradição de pensamento weberiana (Hanningan, 1995: 4).

Contrariamente à literatura realista sobre questões ambientais, o social-construtivismo não aceita acriticamente a existência de tais problemas, se não que focaliza o processo social, político e cultural em que as condições ambientais são definidas como sendo inaceitáveis, e devendo ser modificadas (ibid.: 30). Desta maneira, por exemplo, reconhece-se que a poluição não era considerada um “problema” até ativistas ambientalistas conseguirem que outros percebam, dessa forma aquilo que realmente existia há bastante tempo (ibid.: 39).

Por outro lado, diferentemente da pesquisa que focaliza exclusivamente o discurso público na agenda ambiental e nas políticas, esta abordagem procura reconhecer os problemas e soluções ambientais como resultados da dinâmica social de definição, negociação e legitimação, tanto no espaço público quanto no espaço privado (ibid.: 31). Isto porque os debates ambientais não só demostram a falta de certezas sobre certas questões, como também, certezas contraditórias, isto é, pontos de vista irreconciliáveis sobre as características e conseqüências de certos problemas. Porém, isto não implica negar que os problemas existem numa realidade objetiva, nem negar o poder causal independente de certos fenômenos naturais, mas afirmar que os agentes entram em processos de negociação em relação aos riscos a destacar como significativos (Guivant, 1997).

Esta constatação leva à adoção deliberada de uma atitude agnóstica a fim de otimizar o acesso a como o conhecimento ambiental e os riscos são socialmente articulados (Hanningan, 1995: 31). De acordo com Hanningan, há certas questões chave a ser consideradas na análise das reivindicações ambientais, tais como: O que está sendo dito sobre o problema? Como o problema está sendo tipificado? Qual a retórica utilizada para persuadir os outros? O discurso retórico, que utiliza propositadamente a linguajem para a persuasão, geralmente se fundamenta através de definições, exemplos e estimativas numéricas, e tenta justificar alguma ação que deve ser tomada. Também, entre os elementos necessários para a construção bem sucedida de um problema ambiental é possível identificar: a) autoridade científica para a validação dos argumentos; b) incentivos econômicos para adotar uma ação específica; c) atenção da mídia para que o problema seja enquadrado como importante; d) emergência de uma instituição que assegure a legitimidade do problema e garanta a continuidade das ações encaminhadas (ibid.: 35, 55).

Irwin (1997) argumenta que de modo geral, as colocações respeito da “crise ambiental” enfatizam na necessidade da sociedade responder urgentemente perante aos problemas ambientais, como o aquecimento global, perda de espécie, poluição da água, etc. Estes problemas são apresentado como conseqüências indesejadas do crescimento industrial e dos modernos estilos de vida. Em outras palavras, são apresentadas como o ‘impacto social sobre o natural’. Sobre esta base, requer-se um cambio social para poder atingir relações com o ambiente natural que sejam mais ‘sustentáveis’. Um suposto que subjaze a esta perspectiva é que o natural é diverso do social, e que nosso conhecimento do ambiente natural é objetivo e neutro, e que portanto as ações sociais devem seguir a “ciência natural" para ter uma análise objetiva dos riscos e desafios. Mas ao mesmo tempo, dado que o tratamento bem sucedido das questões ambientais mostra a necessidade de definições de risco e de ameaças que sejam clara e autorizadas, os grupos científicos freqüentemente lutam para conseguir legitimação pública, como mostram amplamente casos recentes de segurança dos alimentos e poluição ambiental.

O suposto de que o conhecimento da ciência natural possa ser neutro e objetivo negaria muito do conhecimento sociológico e antropológico acumulado, que mostra que que a visão social do natural reflete a cultura social e sua visão de mundo: “a visão do universo e a tipo particular de sociedade que a sustenta são intimamente interdependentes. Constituem um sistema comum. Nenhum pode existir sem o outro” (Mary Douglas 1980, apud Irwin, 1997: 218).

Assim, mais do que supor uma dicotomia em que a sociedade esta aqui e a natureza está lá, esto sugere uma relação superposta entre o social e o natural, sugerindo também que é impossível ser “objetivos” em relação a qualquer das duas categorias, sendo impossível discriminar onde termina uma e onde começa a outra. Inclusive nossa própria experiência contemporânea de “volta ao natural” é produto de específicas condições sociais e mediada por objetos sociais, do mesmo modo que a experiência da “vida selvagem” é impossível sem roupas high-tech (ibid, 219).


Crítica realista e resposta do construtivismo

As críticas mais profundas que tem recebido a abordagem construtivista de análise dos problemas ambientais referem-se ao fato das mesmas outorgar uma espaço excessivamente proeminente à flexibilidade interpretativa decorrente de levar em conta a dimensão subjetiva das ações e do conhecimento. Esta flexibilidade interpretativa, teria um efeito corrosivo na utilidade e na potencialidade crítica das considerações sociológicas sobre os problemas e os fenômenos ambientais.

Em última análise, a abordagem construtivista carregaria uma subestimação da existência dos problemas ambientais, não contribuindo à solução desses problemas.

Perceba-se que não se trata de uma crítica que negue o caráter socialmente construído do conhecimento, já que boa parte destes autores reconhecem que "todo conhecimento é em certa forma socialmente construído" (Dickens, 1996, apud Burningham e Cooper, 1999). O que está em questão é que esta sociologia ambiental falharia em não reconhecer o poder causal independente da natureza, ou seja, por ser "supersocializada" ou "sociológica demais" (Benton, 1994 e Martell, 1994, apud Burningham e Cooper, 1999: 300) e por isso perderia sua eficácia prática.

De modo geral, a crítica realista do construtivismo denota a convicção de que a Sociologia tem um papel significativo em entender e responder aos problemas ambientais realmente existentes, que estão aí. Como tem mostrado recentemente Burningham e Cooper (1999) no fundo, o argumento apresenta um caráter moral. A crítica não só assinala que o social construtivismo é incorreto em subestimar a força independente do mundo natural, mas principalmente que essa posição é perigosa e moralmente equivocada.

Como já foi assinalado, a agenda realista da sociologia ambiental nasceu carregada do imperativo de contribuir com eficácia a administrar os problemas ambientais. Assim como os próprios Dunlap e Catton têm argumentado, o social construtivismo é incapaz de contribuir a este objetivo porque "se todas as demandas têm validade, então não há base para apoiar alguma em lugar de outra, e portanto não há base para se tornar pro-ativo" (Dunlap e Catton, apud Burningham e Cooper:1999, 300).

Burningham e Cooper (ibid.) apresentam vários problemas que teriam estas críticas. Por exemplo o fato delas centrarem-se contra um certo construtivismo extremo que não é aquele que tem subsidiado a maior parte dos estudos empíricos, os quais são ignorados pela crítica realista. Estes trabalhos, geralmente desenvolvem uma forma "suave" de construtivismo (Mild Constructionism) que da atenção ao processo social inerente ao desenvolvimento de instituições científicas, epistemologias e conhecimentos e têm se mostrado úteis e relativamente pouco controvertidos em mostrar como a realidade social é socialmente construída.

Um dos equívocos implícitos nas críticas é que se confunde o sentido atribuído à posição agnóstica perante ao conhecimento ambiental que faz parte ponto de partida metodológico do construtivismo. O ponto é que a posição construtivista não nega a existência de uma "realidade" externa, se não que argumenta que aquilo que essa realidade "é", o que ela significa, isto é socialmente construído e não pode ser considerado como dado. Como tem exemplificado Ernesto Laclau,

"Uma pedra existe independentemente de qualquer sistema de relações sociais, mas ela é, por exemplo, tanto um projetil quanto um objeto de contemplação estética somente dentro de uma configuração discursiva específica" (Laclau, apud Burningham e Cooper:1999, 308).
Qual é então o lugar da "natureza"?

É por partir de conceitos estritamente sociológicos (como o de agência, representação social, legitimação, industrialismo, etc.), e aproveitar métodos de análise em desenvolvimento na época (como a deconstrução do conhecimento científico sobre a natureza) estas novas abordagens sociológicas da problemática ambiental são vistas, por oposição ao ponto de vista da SMA realista como "construtivistas", e portanto suscetíveis à crítica de não incorporar a natureza em si em seus modelos de análise.

Por outro lado, estas novas abordagens não necessariamente produzem conhecimentos da suposta eficácia prática que os autores realistas esperam de uma sociologia aplicada capaz de dar solução a problemas concretos. Pelo contrário, ao mesmo tempo que assumem os limites dos paradigmas dominantes da modernidade (limites dos quais a crise ambiental é um dos seus indicadores) muitas vezes eles partem de uma visão crítica das concepções instrumentalistas acerca de como o conhecimento produzido pela sociologia ajuda à produção e controle dos processos sociais.

Trata-se de uma discussão engajada no dualismo clássico objetivismo/subjetivismo. Neste caso, esta percepção dualista manifesta-se pelas posições daqueles que vêm outorgando prioridade à análise do substrato ecológico-material da vida social, de um lado; e por aqueles que têm contestado essas posições, afirmando a necessidade de priorizar a análise das percepções e representações do ambiente natural, já que este é construído com base num condicionamento cultural.

Algumas reflexões provisórias podem ser tiradas a partir da discussão sumariamente apresentada acima.

Em primeiro lugar, aparece a necessidade de distinguir a discussão sobre a inclusão ou não das variáveis biofísicas nos modelos de análise, da questão de reconhecer ou não nessas variáveis o atributo de "natural". Com efeito, a partir dessa reflexão, pode-se reconhecer que ambas as perspectivas (construtivista e realista) não tratam, na verdade da natureza em si, mas de construções sociais, sejam estas materiais ou cognitivas.

Neste sentido, seria mais apropriado, então, assumir ambas as posições como estratégias teórico-metodológicas diferenciadas (distinguíveis pela sua ênfase objetivista/realista ou subjetivista/hermenêutica) para a abordagem da construção social da natureza. A atribuição do caráter de "natural" a quaisquer dos objetos analisados por quaisquer destas perspectivas é mais uma construção social.

Em segundo lugar, pode-se afirmar que o NEP (Novo Paradigma Ecológico), não é de fato um Novo Paradigma, na medida em que considera a natureza sob os mesmos parâmetros, socialmente determinados, de toda a ciência moderna, constituindo na verdade uma nova manifestação do processo de socialização da natureza.

Finalmente, recoloca-se a questão de si a "utilidade" do conhecimento sociológico existe apenas na medida dele satisfazer a expectativa de fornecer subsídios para uma intervenção eficaz na sociedade. Na verdade, a observação do caráter reflexivo da sociedade contemporânea, implica em reconhecer a dificuldade de que possa haver certos conhecimentos que corretamente administrados possam garantir que alguma ação evite ter conseqüências impremeditadas.

Por outro lado, ainda é discutível que essa seja a principal atribuição da Sociologia. Como diz Pierre Bourdieu, “a sociologia é uma ciência que incomoda”, justamente pelo fato de uma de suas principais contribuições ser, mais do que revelar novas verdades, a de introduzir olhares que mostrem como são geradas as condições para que algumas coisas sejam percebidas como verdadeiras.

Neste contexto, assumir tal limite significa reconhecer que a expectativa de produzir conhecimentos de suposta eficácia instrumental não é uma expectativa à qual a sociologia ambiental deva necessariamente se render. E não por isso trata-se de um conhecimento inócuo. Pelo contrário, o compromisso com a desnaturalização de posições naturalizadas leva a reconhecer que os agentes sociais falam sempre desde uma posição, e que discursos "objetivos" são discursos objetivados.

Além de mais, a tarefa da Sociologia não necessariamente é a de induzir transformações, mas sim tentar explicar por que as coisas são como são, por que aparecem como aparecem, ou como os fenômenos sociais são produzidos e reproduzidos. Esta atitude, tem implicações políticas muito sérias, que de forma alguma incentiva o "quietismo político", como sugerem os autores realistas.

O que acontece, e isso sim é verdade, é que esse conhecimento não necessariamente abona as posições predefinidas como necessárias a partir de um específico ponto de vista.
Bibliografia

BURNINGHAM, Kate e COOPER, Geoff (1999). "Being constructive: social constructionism and the environment". Sociology, Vol.33 Nº. 2.

BUTTEL, Frederick. (1992), “Sociologia e meio ambiente: um caminho tortuoso rumo à ecologia humana”. Perspectivas, v. 15, UNESP.

BUTTEL, Federick. (1996), “Environmental and resource sociology: Theoretical issues and opportunities for synthesis”. Rural Sociology Nº 61 (I), pp 56-76.

CATTON, W. e DUNLAP, R. (1978), "Environmental Sociology: A New Paradigm". The American Sociologist, 13, 41-9.

DUNLAP, Riley E. (1997), "The evolution of Environemental Sociology: A Brief History and Assesment of the American Experience", in Redclift e Woodgate (ed), The International Handbook of Environmental Sociology, pp. 21-39, Edward Elgar, Cheltenham (UK) e Northampton (USA).

FLORIT, Luciano (1998), “Teoria social e a relação sociedade/natureza a partir da obra de Anthony Giddens”. Cadernos de Sociologia, v. 10, pp. 61-86, Porto Alegre, PPGS/UFRGS.

FREUDEMBURG, William e GRAMLIN, Robert (1989), "The emergence of Environmental Sociology: Contributions of Riley Dunlap and William R. Catton, Jr.". Sociological Inquiry, Vol. 59 Nº.4, University of Texas.

GIDDENS, Anthony (1989), A constituição da sociedade. São Paulo, Martins Fontes. (1º edição inglesa 1984).

HANNINGAN, J. (1995), Environmental sociology. A social constructionist perspective. Londres, Routledge.

IRWIN, Alan. (1997), "Risk, the Environment and Environmental Knowledge", in Redclift e Woodgate (ed), The International Handbook of Environmental Sociology, pp. 218-226, Edward Elgar, Cheltenham (UK) e Northampton (USA).

LATOUR, Bruno. (1994), Jamais fomos modernos. São Paulo, Editora 34.

REDCLIFT, M. e WOODGATE, Graham. (1997), "Sustainibility and Social Construct", in Redclift e Woodgate (ed), The International Handbook of Environmental Sociology, pp. 55-70, Edward Elgar, Cheltenham (UK) e Northampton (USA).

SIMMONIS, I.G. (1993), Interpreting Nature. Cultural Constructions of the enviroment. Londres e Nova Iorque, Routledge.

WOODGATE, Graham. (1997), "Introduction", in Redclift e Woodgate (ed), The International Handbook of Environmental Sociology, pp. 1-17, Edward Elgar, Cheltenham (UK) e Northampton (USA).

WOODGATE, Graham e REDCLIFT, Michael. (1996), “From a ‘Sociology of Nature’ to Environmental Sociology: beyond Social Construction”, mimeo, Environmental Department, Wye College, University of London.


Luciano Florit
R. Bosque dos Eucaliptos 167

Campeche – CEP: 88063-440

Florianópolis/SC - Brasil

Telefone: (048) 237-2744



E-mail: florit@cfh.ufsc.br


* Professor de Sociologia/FURB; Doutorando em Sociologia/UFRGS. E-mail


1 Todas as transcrições de textos cuja referência bibliográfica é em inglês são de tradução minha.

2 O significado destas expressões tem sofrido modificações sutis até a atualidade. O NEP, passou a ser considerado como New Ecological Paradimg, reconhecendo a crescente utilização de perspectivas ecológicas, e o HEP, passou a ser considerado como Human Exemptionalism Paradigm, como modo de não negar que os seres humanos são "excepcionais" dentro das espécies, mas que o fato de possuir cultura e tecnologia não os exime (exempt) das constrições ecológicas.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal